Grupo chinês se adianta e entrega 'Prêmio da Paz'

Rechaçando as questões em torno de motivações políticas, um grupo chinês entregou hoje seu próprio "Prêmio da Paz". O primeiro Prêmio Confúcio da Paz foi concedido ao ex-vice-presidente taiwanês Lien Chan, durante uma caótica entrevista coletiva com vários professores universitários chineses, apresentados como o "júri" da premiação. O escritório de Lien negou saber sobre o prêmio, mas isso não impediu que ele fosse dado em seu nome para uma jovem chinesa. "Para a Paz!", disse o membro do júri Yang Disheng, quando entregou o troféu à menina.

AE, Agência Estado

09 de dezembro de 2010 | 10h30

O prêmio é dado um dia antes da cerimônia do Nobel para Liu Xiaobo, escritor e professor dissidente preso por pedir uma reforma política na China. Pequim respondeu duramente ao anúncio da honraria feito em outubro, ameaçando as relações com a Noruega, além de chamar de "palhaços" os membros do comitê do Nobel e pressionar os países para que não compareçam ao evento de entrega.

Os membros do júri de hoje negaram qualquer vínculo com o governo da China e também as sugestões de que o prêmio seria uma resposta ao Nobel para Liu. "Quanto mais prêmios da paz nós tenhamos no mundo, melhor", disse Yang, identificado como professor de "ideologia e cultura" da Universidade Tsinghua, de Pequim.

O presidente do júri, Tan Changliu, professor da Universidade Normal de Pequim, disse que o prêmio vinha sendo elaborado "há um longo tempo", mas se recusou a citar datas. O poeta chinês Qiao Damo, um dos "candidatos", disse que o silêncio de Lien diante da honraria poderia ser visto como uma "aceitação silenciosa" do prêmio.

Em Taiwan, o escritório do político informou hoje que não havia sido contatado sobre o prêmio e portanto não iria comentá-lo. Lien foi uma escolha segura politicamente. Ele é presidente de honra do partido Kuomintang, que busca relações amigáveis entre Taiwan e Pequim. Outros candidatos eram o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela e Jimmy Carter, ex-presidente dos EUA. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaPrêmio da PazNobel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.