Grupo de 16 militares feridos em terremoto no Haiti chega a SP

Eles serão encaminhados para hospital no Cambuci; ao menos 14 oficiais do Exército morreram no tremor

ANA CONCEIÇÃO, Agencia Estado

15 de janeiro de 2010 | 13h17

Um grupo de 16 militares brasileiros feridos no terremoto no Haiti chegou nesta sexta-feira, 15, à Base Aérea de São Paulo, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, na região metropolitana, a bordo de um Boeing da Força Aérea Brasileira (FAB).

 

Veja também:

linkVelório de Zilda Arns começo em Curitiba

linkTerremoto deixou 300 mil desabrigados, diz ONU

link70% dos prédios de Porto Príncipe caíram, diz Cruz Vermelha

linkAo menos 17 brasileiros morreram , diz Jobim

linkResgate corre contra tempo para salvar feridos

De acordo com o Exército, são 1 tenente-coronel, 1 capitão, 1 tenente, 5 sargentos, 5 cabos e 3 soldados. Eles serão levados para o Hospital Geral de São Paulo (HGeSP), do Exército, no Cambuci, zona sul da capital paulista, onde farão exames médicos e laboratoriais. Outros dois sargentos que viriam ao Brasil no mesmo voo decidiram ficar para ajudar no resgate às vítimas do tremor.

Não há informação sobre ferimentos com gravidade entre os 16 militares. Eles fazem parte da missão de paz do Brasil no Haiti. Os mais de 1.200 militares brasileiros no Haiti voltariam ainda este mês para o Brasil. O contingente brasileiro é substituído a cada seis meses. Por causa do terremoto, contudo, ainda não há prazo para que eles retornem ao Brasil.

Ontem, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que 17 brasileiros morreram no tremor. Ao menos 14 eram militares e três, civis. Entre eles a fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, que está sendo velada em Curitiba, e o vice-representante da ONU no Haiti, Luiz Carlos da Costa.

Ainda segundo o ministro, os corpos dos 14 militares brasileiros mortos devem chegar ao Brasil no máximo até este domingo (17). "Tem que haver uma liberação por parte da ONU. Há toda uma burocracia considerando-se a questão dos seguros [indenizatórios], mas isso é rápido e os corpos devem chegar amanhã (16) ou no domingo".

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotomilitaresferidosSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.