Grupo de al-Zarqawi se declara parte da Al-Qaeda

O grupo Monoteísmo e Guerra Santa, liderado pelo jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, declarou-se parte da rede terrorista Al-Qaeda por meio de um comunicado divulgado hoje num site islâmico da internet. O texto informa que Al-Zarqawi entrou em contato com o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, oito meses atrás, antes do diálogo ser interrompido. "Alá logo nos abençoou com a retomada da comunicação e os dignos irmãos da Al-Qaeda entenderam a estratégia do Monoteísmo e Guerra Santa", prossegue a declaração, anunciando a "aliança da liderança e dos soldados do Monoteísmo e Guerra Santa ao chefe de todos os mujahedin, xeque Osama bin Laden". "Você é o melhor líder dos exércitos do Islã contra todos os infiéis e apóstatas", prosseguia a declaração, numa saudação a Bin Laden Al-Zarqawi e seu grupo assumiram a autoria de pelo menos 25 dos mais sangrentos ataques no Iraque, além da decapitação de reféns tomados por grupos insurgentes. O anúncio se deu ao mesmo tempo em que o Tribunal de Segurança do Estado jordanianos recebia formalmente sete acusações contra Al-Zarqawi e 12 de seus seguidores pelo crime de "preparar atentados terroristas na Jordânia". Quatro dos 13 acusados - incluindo Al-Zarqawi - estão foragidos e serão julgados à revelia e todos podem ser sentenciados à pena de morte. O governo americano oferece US$ 25 milhões pela captura ou morte de Al-Zarqawi.

Agencia Estado,

17 Outubro 2004 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.