Grupo de clérigo xiita ameaça abandonar governo do Iraque

Os seis ministros do grupo liderado pelo clérigo xiita Moqtada al-Sadr ameaçaram nesta quarta-feira, 11, abandonar o governo se o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, mantiver a decisão de não fixar um calendário para a retirada das tropas multinacionais comandadas pelos Estados Unidos.O grupo de Sadr anunciou essa decisão em comunicado emitido por seu conselho político em resposta a declarações que Maliki fez nesta terça-feira em Tóquio, assegurando que "estabelecer uma agenda (para a retirada) pioraria a situação no Iraque"."O bloco Sadr está pensando em se retirar do governo, que fracassou na hora de tornar realidade as promessas que fez aos cidadãos", afirma a nota.Milhares de iraquianos responderam a um chamado de Sadr para realizar uma manifestação na cidade sagrada de Najaf, na segunda-feira, a fim de exigir a retirada dos 140 mil soldados estrangeiros liderados pelos EUA. O presidente norte-americano, George W. Bush, disse na terça-feira que a fixação de cronogramas para a retirada dos militares minaria a operação de segurança realizada pelos EUA e pelo Iraque em Bagdá. Segundo Bush, começavam a surgir sinais de que a operação estava conseguindo conter a violência sectária na capital.Durante uma visita a Tóquio, Maliki afirmou a repórteres que também não via necessidade de um cronograma. O premier disse que seu governo trabalhava para consolidar as forças de segurança iraquianas o mais rápido possível, permitindo assim que as forças lideradas pelos EUA partissem. "O movimento Sadr rejeita as declarações do primeiro-ministro Nuri al-Maliki, que se prende à presença das forças norte-americanas, contrariando a vontade do povo iraquiano", disse a organização.O grupo dirigido por Moqtada al-Sadr, é um dos principais partidos da coalizão governamental com 30 dos 275 deputados do Parlamento.No início do mês, dois importantes membros desse grupo foram expulsos por se reunirem com autoridades americanas sem uma autorização oficial da direção do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.