Grupo de estudos pede por união entre Casa Branca e Senado

Os líderes de um grupo de estudos sobre o Iraque instaram a administração Bush e o Congresso a trabalharem juntos para a elaboração de uma nova abordagem diplomática e militar, apesar de senadores levantarem diversas questões a respeito da opinião do grupo de estudos sobre as mudanças na condução da guerra. "É um problema de política muito difícil e, para que isso aconteça, não pode ser idealista, tem que ser pragmático", disse o ex-parlamentar Lee Hamilton à Comissão de Serviços Armados do Senado. Ele e o ex-secretário de Estado James Baker III são membros do Grupo de Estudos do Iraque. "Rejeitamos a idéia de que a situação é sem solução", acrescentou Hamilton.Hamilton afirmou ser essencial que a Casa Branca e o Congresso trabalhem juntos na questão, e criticou parlamentares por não assumirem um papel mais incisivo na previsão das políticas de guerra da administração Bush. A senadora Hillary Clinton, democrata, disse que a questão central agora é se Bush irá de fato implementar as novas políticas. "Precisamos que a Casa Branca implemente os resultados do grupo de estudos", afirmou. Baker disse que o Congresso poderá desempenhar um papel chave em tal questão. "Se o Congresso se unir em apoio - diremos utopicamente - a todas as recomendações desse relatório, isso faria muito por levar as coisas adiante", Baker disse ao grupo de estudos. Muitos no Congresso tem elogiado o relatório do grupo, que levou oito meses para ficar pronto. Mas o senador John MacCain, republicano, disse a Hamilton e Baker que ele não acredita que tal abordagem irá funcionar. O grupo pediu por uma saída das tropas até 2008, e rejeitou a idéia de um aumento a curto prazo no número de soldados do Iraque. McCain argumentou que ele não concorda com a conclusão do grupo, de que o Exército dos EUA não tem forças disponíveis o suficiente para realizar um aumento das tropas. "Há apenas uma coisa pior que um exército sobrecarregado, que é um exército derrotado, disse McCain, veterano da guerra do Vietnã. "Acredito que essa é uma receita que levará à nossa derrota no Iraque mais cedo ou mais tarde." A Casa Branca ainda não emitiu um julgamento sobre as 79 recomendações. Bush se encontrou na Casa Branca com o premier britânico Tony Blair, principal aliado de Bush no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.