Grupo de extrema direita britânico vai às ruas 'deter' distúrbios

Liga da Defesa Inglesa já fez patrulhas e diz que voluntários continuam a aderir ao movimento

Agência Estado

09 de agosto de 2011 | 21h05

LONDRES - O líder de um grupo britânico de extrema direita anunciou na noite desta terça-feira, 9, que mil integrantes de sua organização sairão às ruas com a intenção de "deter" os distúrbios que tomaram conta de várias cidades inglesas pelos últimos quatro dias.

 

Veja também:

blog Twitteiro cria site para identificar saqueadores

blog RADAR GLOBAL: Conte-nos sua história

som ÁUDIO: Brasileiros relatam situação tensa na cidade

som ÁUDIO: Não há registros de brasileiros feridos

mais imagens GALERIA: Veja imagens da violência

 

Stephen Lennon, líder da Liga da Defesa Inglesa, disse à Associated Press que mil integrantes do grupo de extrema direita sairiam às ruas de Luton, onde fica a sede da organização, e outras partes da Grã-Bretanha afetadas pelos distúrbios, inclusive Manchester.

 

Lennon afirmou que membros da Liga da Defesa Inglessa já estavam realizando "patrulhas" nesta terça com o objetivo de "deter" os participantes da revolta e que centenas de pessoas mais pretendiam aderir ao movimento na quarta-feira. "Nós vamos acabar com os distúrbios. A polícia obviamente não tem capacidade de lidar com isso", disse Lennon à AP.

 

O grupo de extrema direita foi recentemente mencionado como uma das inspirações de Anders Behring Breivik, o extremista de direita que confessou ser o autor do massacre de dezenas de pessoas em 22 de julho na Noruega.

 

A onda de violência, iniciada no sábado, teve como estopim a morte de um vigia, baleado por policiais em Tottenham, no norte de Londres. Desde então os distúrbios cresceram e se espalharam, mas políticos e civis alegam que muitas pessoas se juntaram aos tumultos apenas para participar dos saques, no que se tornaram eventos de "vandalismo puro e sem razão".

 

Veja também:

linkViolência chega a Manchester e outras cidades

linkPolícia divulga fotos de suspeitos

linkLondres reforça policiamento de modo 'sem precedentes'

linkPolícia não tem provas de que vigia disparou

linkJovem de 26 anos é o primeiro a morrer

linkVoluntários se organizam pela internet para limpar ruas

linkCameron: 'Vocês sentirão a força da lei'

 

Em Londres, polícia já prendeu mais de 560 pessoas devido aos distúrbios e mais dezenas em outras cidades. Uma pessoa morreu baleada em Croydon, no sul londrino. A Scotland Yard informou que 111 oficiais, cinco cachorros policiais e 14 civis foram feridos durante os quatro dias de distúrbios. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.