Jim Urquhart/Reuters
Jim Urquhart/Reuters

Grupo de extrema direita dos EUA se infiltra na política local, de olho em eleições

O Proud Boys se tornou cada vez mais ativo nas reuniões de conselho escolar e das cidades de todo o país com o objetivo de levar a sua política extremista ao nível local

Sheera Frenkel / The New York Times, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2021 | 10h00

WASHINGTON - Eles apareceram no mês passado em frente ao prédio do conselho escolar em Beloit, Wisconsin, Estados Unidos, para protestar contra a exigência de máscaras da escola. Dias depois, apareceram em uma reunião do conselho escolar no condado de New Hanover, Carolina do Norte, antes de uma votação sobre a obrigatoriedade da máscara. Eles também participaram de uma reunião em Downers Grove, Illinois, onde pais tentavam remover uma história em quadrinhos de um autor não-binário das bibliotecas das escolas públicas.

Membros dos Proud Boys, um grupo nacionalista de extrema direita, têm aparecido cada vez mais nos últimos meses em reuniões de conselhos municipais, apresentações de conselhos escolares e sessões de perguntas e respostas de departamentos de saúde em todo o país. Sua presença nos eventos é parte de uma mudança de estratégia da organização da milícia em direção a um objetivo maior: trazer seu tipo de política ameaçadora para o nível local.

Durante anos, o grupo foi conhecido por seu perfil nacional. Os Proud Boys foram proeminentes nos comícios de Donald Trump, a certa altura se oferecendo para servir como milícia particular do ex-presidente. Em 6 de janeiro, alguns membros se filmaram atacando o Capitólio para protestar contra o que eles disseram falsamente ser uma eleição que foi roubada de Trump.

Mas desde que as autoridades federais reprimiram o grupo no ataque de 6 de janeiro, incluindo a prisão de mais de uma dúzia de seus membros, a organização ficou mais silenciosa. Ou pelo menos era o que parecia.

Longe dos holofotes nacionais, os Proud Boys silenciosamente mudaram a atenção para capítulos locais, disseram alguns membros e pesquisadores. Em pequenas comunidades - geralmente subúrbios ou pequenas cidades com populações de dezenas de milhares - seus seguidores tentaram aumentar o número de membros assumindo causas locais. Dessa forma, eles disseram, o grupo pode reunir mais apoiadores a tempo de influenciar as eleições de meio de mandato do próximo ano.

“O plano de ataque, se você quiser fazer mudança, é se envolver em nível local”, disse Jeremy Bertino, um membro proeminente dos Proud Boys da Carolina do Norte. Segundo ele, o grupo havia dissolvido sua liderança nacional depois de 6 de janeiro e estava sendo administrado exclusivamente por seus membros locais.

Crescimento online

Esse foco se reflete na atividade online. No aplicativo de mensagens criptografadas Telegram, o principal grupo dos Proud Boys nos EUA quase não mudou de número - com cerca de 31.000 seguidores - no ano passado. Mas mais de uma dúzia de novos canais do Telegram surgiram para filiais locais dos Proud Boys em cidades como Seattle e Filadélfia no mesmo período, de acordo com dados coletados pelo The New York Times. Esses grupos locais do Telegram cresceram rapidamente de dezenas para centenas de membros.

Outros grupos de extrema-direita que foram ativos durante a presidência de Trump, como os Oath Keepers e os Three Percenters, seguiram o mesmo padrão, disseram os pesquisadores. Eles também expandiram seus grupos locais em estados como Pensilvânia, Texas e Michigan e são menos visíveis nacionalmente.

“Vimos esses grupos adotarem novas táticas na esteira de 6 de janeiro, o que permitiu que eles se reagrupassem e se reorganizassem”, disse Jared Holt, um pesquisador do Atlantic Council’s Digital Forensic Research Lab que estuda grupos extremistas domésticos. “Uma das táticas de maior sucesso que eles usaram é a descentralização.”

Os membros dos Oath Keepers e dos Three Percenters não responderam aos pedidos de comentários. Nesta terça-feira, 14, o procurador-geral do Distrito de Columbia processou os Proud Boys e o Oath Keepers, alegando que os grupos de extrema-direita conspiraram para atacar o Capitólio em 6 de janeiro.

Vácuo de liderança força mudança de tática

Os Proud Boys foram fundados em 2016 por Gavin McInnes, um cofundador da Vice. Enrique Tarrio, um ativista e diretor do Latinos for Trump na Flórida, mais tarde assumiu a liderança. O grupo, que é exclusivamente masculino, tem defendido visões misóginas, islamofóbicas e anti-semitas, de acordo com o Southern Poverty Law Center, que o classificou como um grupo de ódio.

Na eleição de 2020, os Proud Boys - que costumam usar uniformes pretos e amarelos característicos - se tornaram os maiores e mais públicos das milícias. No ano passado, Trump se referiu a eles em um debate presidencial quando foi questionado sobre grupos nacionalistas brancos, respondendo: "Proud Boys, recuem e fiquem a postos."

Após o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro, o grupo ficou desiludido com Trump. O presidente se distanciou do tumulto e se recusou a oferecer imunidade aos envolvidos. Os Proud Boys também experimentaram um vácuo de liderança, depois que Tarrio foi preso dois dias antes do ataque ao Capitólio sob a acusação de destruição de propriedade e posse ilegal de armas.

Foi quando os Proud Boys começaram a se concentrar nas questões locais, disse Holt. Mas, conforme os capítulos locais floresciam, disse ele, o grupo “aumentou suas tendências radicais” porque os membros se sentiram mais à vontade em assumir posições extremas em círculos menores.

Foco em temas da pandemia

Muitas células locais dos Proud Boys assumiram agora causas ligadas à pandemia do coronavírus, com membros aparecendo em protestos contra exigência de máscara e políticas de vacinação obrigatória, de acordo com pesquisadores que estudam o extremismo.

Este ano, os membros dos Proud Boys foram registrados em 145 protestos e manifestações, ante 137 eventos em 2020, de acordo com o Armed Conflict Location and Event Data Project, uma organização sem fins lucrativos que monitora a violência. Mas os dados provavelmente subestimam as atividades do grupo, pois não incluem reuniões de conselho escolar e local, disse Shannon Hiller, diretora executiva da Bridging Divides Initiative, um grupo de pesquisa apartidário que monitora a violência política.

Hiller disse que os Proud Boys mostraram níveis consistentemente altos de atividade este ano, ao contrário do ano passado, quando houve um pico apenas em torno da eleição. 

Nos canais locais do Telegram, os membros costumam compartilhar notícias e reportagens em vídeo sobre alunos que foram barrados nas escolas por se recusarem a usar máscara ou funcionários que foram demitidos devido à necessidade de vacina. Alguns fazem planos de aparecer em protestos para atuar como “músculo”, com o objetivo de intimidar o outro lado e atrair novos membros com uma demonstração de força, de acordo com as conversas do Telegram veiculadas pelo The Times.

“Diga-me onde eu preciso estar e eu estarei lá”, escreveu um membro de um grupo dos Proud Boys em Wisconsin no mês passado sobre protestos contra a obrigatoriedade de máscaras. “Posso dirigir de 5 a 6 horas em qualquer direção". “Pense localmente, aja localmente”, respondeu outro membro.

Presença já interrompeu eventos

Em algumas reuniões locais nas quais os Proud Boys compareceram, houve ameaças a líderes comunitários, de acordo com relatos da imprensa. Em outras, eles simplesmente permaneceram em silêncio e observaram. Nos grupos do Telegram, alguns se gabaram de ter distribuído seus números de celular aos interessados ​​em ingressar neles.

Frequentemente, sua presença é suficiente para interromper eventos. No mês passado, o conselho escolar em Beloit, Wisconsin, disse que cancelou as aulas porque alguns dos Proud Boys estavam em um protesto local sobre a exigência de máscaras. Em Orange County, Califórnia, o conselho escolar disse em setembro que iria instalar detectores de metal e contratar segurança extra depois que vários Proud Boys compareceram a uma reunião e ameaçaram seus membros.

No condado de New Hanover, na Carolina do Norte, que tem cerca de 220 mil habitantes, Stefanie Adams, presidente do conselho escolar, disse que leu sobre as aparições crescentes do grupo e começou a acompanhar os casos.

Ela conta que tinha a impressão de que os Proud Boys poderiam aparecer em seu distrito escolar, que tem 25 mil alunos. Como a lei da Carolina do Norte exige que o conselho escolar do condado vote sobre a continuação da obrigatoriedade da máscara para os alunos a cada mês, o distrito lidou com muitas reuniões sobre o assunto, disse ela.

“Achei que estávamos no radar deles e que podemos ser os próximos”, disse. “Sabíamos que tínhamos que nos preparar caso eles viessem à nossa cidade também.”

No mês passado, ela foi avisada pelo chefe de segurança do conselho que alguns Proud Boys estavam fora do prédio para a votação do mandato da máscara.

Cinco Proud Boys finalmente entraram na sala e ficaram no fundo. Eles cruzaram os braços sobre os coletes táticos e usavam camisetas combinando com a imagem de um galo, a insígnia do grupo. Embora não tenham falado publicamente, o vídeo da reunião de duas horas os mostrou aplaudindo enquanto os palestrantes anti-máscara defendiam sua posição.

O conselho escolar de sete membros do condado de New Hanover acabou votando por quatro a três para estender o mandato da máscara por mais um mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.