Grupo de mídia chinês é criticado por trair apoiadores

Um grupo de mídia do sul da China está sendo alvo de críticas por trair os manifestantes que tentaram defendê-la de uma disputa com os censores no início do ano. The Southern Media Group é o dono de uma publicação semanal de Guangzhou, conhecida como Southern Weekly, cuja equipe editorial apresentou uma rara mas curta revolta contra a censura em janeiro, o que atraiu dezenas de manifestantes.

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2013 | 05h05

Na ocasião, apoiadores da publicação apareceram nas portas da sede com flores, cartazes e gritos de apoio à liberdade de expressão e à democracia.

A revolta foi rapidamente resolvida após a equipe editorial e os censores alcançarem um acordo, mas quase um ano depois pelo menos três dos manifestantes, incluindo Guo Feixiong, um famoso ativista pela democracia, provavelmente enfrentarão acusações na justiça por distúrbio público.

O grupo está sendo criticado por declarar em um comunicado à polícia que os manifestantes interferiram com as operações da companhia, fornecendo evidências que provavelmente serão utilizadas contra os manifestantes.

Uma cópia da declaração circulou pela internet no fim de semana. O advogado de Guo, Zhang Xuezhong, confirmou que o documento é igual a uma cópia que ele viu no escritório da procuradoria de Guangzhou.

Membros atuais da publicação e ex-funcionários publicaram nas redes sociais mensagens de repúdio à empresa. Intelectuais liberais e outros ativistas também estão entre os críticos, mas muitas das mensagens foram rapidamente apagadas pelos censores.

"Os cidadãos devem ter o direito de se reunirem e o direito de liberdade de expressão, e esses também são direitos que os jornalistas perseguem e defendem", escreveu Zhang Zhe, um repórter que trabalhou no Southern Weekly no momento do impasse, mas que desde então saiu da publicação. Ligações da reportagem ao grupo não foram atendidas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaMídiaProtestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.