Grupo do sul da Nigéria assume ataque a petrolífera italiana

Na última sexta-feira, seis trabalhadores da petrolífera Eni foram seqüestrados e trocaram tiros com seguranças

Efe,

27 de outubro de 2007 | 22h28

O principal grupo militante do sul da Nigéria, o Movimento para a Emancipação do Delta do Níger (Mend, em inglês), se responsabilizou pelo seqüestro, na última sexta-feira, de seis trabalhadores da petrolífera italiana Eni. "O Mend é o responsável pelo ataque e o seqüestro dos seis operários", assinala o movimento em uma breve mensagem enviada neste sábado por e-mail a diversos meios de comunicação. O grupo não indica a condição em que se encontram os seqüestrados que, segundo informou na última sexta a Eni, são de nacionalidade polonesa, filipina e nigeriana, e trabalhavam na plataforma de extração Mystras, situada no Golfo da Guiné, a cerca de 85 quilômetros do litoral nigeriano. O ataque do Mend foi perpetrado por cerca de 12 homens fortemente armados que se deslocavam em lanchas de alta velocidade e que trocaram tiros com os guardas de segurança da plataforma. Segundo o comunicado da Eni, o tiroteio deixou um trabalhador nigeriano "levemente ferido" em uma perna. Este é o segundo ataque e seqüestro de trabalhadores petrolíferos em uma semana realizado pelo Mend, que no sábado passado capturou sete operários, três deles estrangeiros, de uma usina da multinacional Shell no estado sulista de Bayelsa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.