Grupo é preso após embarcar 2 t de cocaína na Venezuela

Acusados são um americano, dois mexicanos, um congolês e seis venezuelanos

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Um americano, dois mexicanos e um congolês, além de seis cidadãos venezuelanos, estão sendo acusados de tentarem traficar mais de duas toneladas de cocaína por meio de um aeroporto venezuelano, disse neste sábado, 16, o governo da Venezuela. Roberto Charles Gagnon - identificado como americano -, os mexicanos Carlos Gaona Salas e Jose Fernando Acosta, e o congolês Georges Masudi estão detidos em uma prisão em Isla Margarita, segundo comunicado do Ministério Público venezuelano. Os suspeitos venezuelanos - um funcionário do aeroporto e cinco oficiais da divisão de polícia investigativa - estão no mesmo local. O grupo foi preso em flagrante no dia 9 de junho ao embarcar a droga em avião particular com destino à África no aeroporto internacional de Isla Margarita, um popular destino turístico da Venezuela. Masudi apresentou credenciais diplomáticas e afirmou ser parente do presidente do Congo, Joseph Kabila. A afirmação foi negada pelo porta-voz de Kabila. As contas e outros bens do grupo foram apreendidos por ordem judicial. Além da droga, foram apreendidos o avião, dois veículos e dinheiro em várias moedas, totalizando cerca de US$ 22 mil.

Mais conteúdo sobre:
Cocaína Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.