Grupo é preso no Texas por tráfico de mulheres

Um grupo de seis pessoas - do qual faziam parte quatro integrantes de uma família hondurenha - foi condenado a cumprir de dois a cinco anos de prisão por traficar aproximadamente 50 imigrantes mulheres até Fort Worth, no Texas, com a promessa de conseguir bons empregos. Em maio do ano passado, os agentes federais revistaram uma série de bares e residências para tentar desmantelar o que inicialmente foi descrito pelas autoridades como um bando de exploração sexual. Mas não conseguiram provar que algumas das vítimas, entre as quais estavam adolescentes de 14 anos, foram obrigadas a se prostituir.Os chefes do grupo criminoso foram acusados de criar uma rede eficiente de tráfico ilegal de imigrantes, na qual cobravam milhares de dólares da famílias hondurenhas para levar suas filhas para empregos bem remunerados nos Estados Unidos. Quando as mulheres chegavam a Fort Worth recebiam instruções para usar roupas decotadas e freqüentar seis casas noturnas da cidade.O juiz norte-americano John McBride condenou Dino Antonio Molina e sua esposa, Delicia Suyapa Aguilar Galindo, a 52 meses de prisão. A irmã de Delicia, Ena Susana, recebeu a mesma sentença, e a mãe das duas, Maria de Los Angeles Galindo Carrasco, foi condenada a 34 meses de prisão. Dois cúmplices que se declararam culpados por introduzir documentos nos Estados Unidos também foram condenados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.