Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Grupo exige boicote da cerimônia de abertura das Olimpíadas

A organização de defesa dos direitoshumanos Repórteres sem Fronteiras defendeu na terça-feira oboicote à cerimônia de abertura da Olimpíada de Pequim, emprotesto ao que chamam de abuso de direitos e "repressãobrutal" da China no Tibet. Baseado em Paris e conhecido pela sigla francesa RSF, ogrupo evitou pedir um boicote completo aos Jogos. Suasconversas com Pequim não obtiveram sucesso em assegurar alibertação dos detentos nas prisões chinesas. Os Repórteres Sem Fronteiras dizem que a forma como a Chinatem lidado com a violência no Tibet demonstra que Pequim falhouem honrar sua promessa de melhorar as condições de trabalho dosjornalistas --garantia feita pela China durante sua candidaturapara sediar os Jogos Olímpicos. "A China não cumpriu nenhuma das promessas que fez em 2001,quando foi escolhida para sediar os Jogos. Pelo contrário, ogoverno está reprimindo brutalmente as manifestações tibetanase impondo um blecaute total de informações", disse a RSF emcomunicado. O comunicado veio depois de uma semana de embates entremanifestantes e a polícia na capital tibetana, Lhasa, e regiõesvizinhas. O governo tibetano no exílio acredita que 99 pessoasforam mortas nos protestos. "As autoridades políticas do mundo não podem mais manter osilêncio diante de tal situação", disse a RSF. "Nós pedimos para que eles expressem sua reprovação dapolítica chinesa, anunciando sua intenção de não comparecer àcerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos." O grupo também criticou as restrições que impedem osjornalistas chinesas de fazerem reportagens sobre o Tibet. Paraa entidade, isto anula o afrouxamento das restrições impostasaos jornalistas estrangeiros. De qualquer maneira, as novasregras cessam com o término da Olimpíada. A RSF reiterou ainda a sua crítica ao Comitê OlímpicoInternacional, exigindo que ele pressione a China a abrirespaço para os Direitos Humanos. "Diante de tais violações aos direitos fundamentais daspessoas, (o comitê) não pode continuar tão passivo. Secontinuar assim, vai demonstrar certa cumplicidade com ogoverno chinês", disse a RSF. (Reportagem de François Murphy)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.