Grupo iraquiano adverte países a não enviarem tropas ao Iraque

Uma tevê por satélite árabe divulgou hoje o que seria um comunicado de combatentes iraquianos anti-EUA advertindo países a não enviarem tropas para se unirem aos britânicos e americanos no Iraque. "Rejeitamos fortemente, e resistiremos com armas, qualquer intervenção militar sob qualquer cobertura, seja das Nações Unidas ou do Conselho de Segurança, da Otan, ou de países islâmicos e árabes", afirma-se no comunicado transmitido hoje pela Al-Arabiya e assinado por um grupo autoproclamado Exército de Libertação Iraquiano. O comunicado foi endereçado ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan. O grupo, até agora desconhecido, afirmou que qualquer envio de tropas "serve às forças de ocupação americana e britânica, minimiza suas grandes perdas, e legitima a ocupação". No comunicado, o Exército de Libertação Iraquiano disse ser composto por árabes, curdos, turcomanos, iraquianos xiitas e sunitas que deram início a suas operações em maio "com um objetivo unificador - libertar o Iraque". O grupo advertiu que estrangeiros que entraram no Iraque "sob qualquer cobertura" após a guerra que derrubou Saddam Hussein para cooperar com as forças de ocupação "serão alvos de nossas próximas operações". Um editor da Al-Arabiya contactado pela Associated Press disse que o comunicado foi entregue ao escritório da rede em Bagdá. Não ofereceu mais detalhes.

Agencia Estado,

15 Julho 2003 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.