Grupo iraquiano ameaça matar refém alemã e seu filho

Um grupo armado iraquiano ameaçou hoje matar uma refém alemã e seu filho em até dez dias caso o Governo da Alemanha não retire suas tropas do Afeganistão.O grupo, que se auto-intitula Siham al Haq (Flechas da Justiça), fez as exigências através de um vídeo divulgado na internet e retransmitido por vários canais de televisão árabes.Na fita, cuja autenticidade não pôde ser comprovada, a mulher, identificada como Hanellore Marianne Krause, aparece junto do filho, que é maior de idade, solicitando à chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que retire as tropas do Afeganistão para que os insurgentes salvem suas vidas.O vídeo mostra a mulher em primeiro plano, com um lenço azul na cabeça, junto ao filho, que aparece cabisbaixo e não fala durante a gravação.Segundo a rede de TV catariana "Al Jazira", que divulgou o vídeo, o memso grupo assumiu a autoria do seqüestro de Marianne Krause, praticado em fevereiro deste ano.Nas imagens, o passaporte da seqüestrada divide a cena com um homem encapuzado que lê um comunicado no qual alerta: "Damos ao Governo alemão dez dias desde da data (de emissão) deste comunicado para anunciar e começar a retirada de suas tropas do Afeganistão, senão os corpos destas duas pessoas não voltarão a ser vistos".O suposto porta-voz do grupo terrorista acrescenta que a Alemanha "aniquila" seus irmãos muçulmanos no Afeganistão apesar de "se mostrar contra a guerra do Iraque". "Os tiranos não sabem que somos uma nação com religião?", questiona."Estou no cativeiro há muito tempo. Imploro que me ajude. Fiquei muito feliz quando a senhora virou chanceler, mas infelizmente até agora a senhora não fez nada para me ajudar", diz ela, segundo as legendas em árabe para o apelo, feito em alemão. A Alemanha, que foi contra a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003, tem 3 mil soldados no Afeganistão. Eles fazem parte de uma força da OTAN estacionada no país desde que tropas lideradas pelos EUA derrubaram o Talibã em 2001, acusado de dar abrigo ao líder da al Qaeda Osama bin Laden. Um porta-voz do ministério do Exterior da Alemanha disse que Berlim está examinando a declaração. "As recentes notícias estão sendo avaliadas pela comissão de crises ... Não vamos fazer mais comentários no presente momento sobre o trabalho da comissão."Matéria ampliada às 11h25 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.