Grupo islâmico somali diz ter executado espião francês

Agente de inteligência teria sido morto em retaliação à ação militar da França para tentar resgatá-lo.

BBC Brasil, BBC

17 de janeiro de 2013 | 09h39

O grupo militante islâmico somali Al-Shabab disse ter executado o agente do serviço de inteligência francês Dennis Allex, que havia sido sequestrado pelo grupo em julho de 2009.

Segundo representantes da organização fundamentalista islâmica, a morte de Allex foi em retaliação a uma recente operação militar realizada pela França para tentar libertá-lo.

O governo francês disse acreditar que Allex foi morto durante a operação, no final da semana passada. A ação, segundo a França, teria resultado na morte de dois soldados franceses e 17 combatentes do Al-Shabab. Mas há relatos sobre a morte de civis nos combates.

O grupo Al-Shabab, que é ligado à rede Al-Qaeda, afirmou em uma conta de Twitter que Allex foi morto na última quarta-feira.

A entidade fundamentalista islâmica havia ameaçado matar Allex anteriormente e responsabilizou a França por sua morte, devido à tentativa de resgate.

Na sexta-feira, cerca de 50 soldados de uma tropa de elite francesa lançaram um ataque de helicóptero contra a cidade de Bulo Marer, reduto do Al-Shabab em que os franceses acreditavam que Allex se encontrava.

Combates intensos

A organização fundamentalista disse que Allex não estava em Bulo Marer no momento do ataque militar francês, que segundo testemunhas, teria sido intenso e durado cerca de uma hora.

Há informações de que vários civis foram mortos durante a operação. A ação militar foi lançada após inúmeras negociações para obter a libertação de Allex terem fracassado.

O governo da Somália disse não ter sido informado sobre a operação antecipadamente e lamentou a perda de vidas civis.

Na segunda-feira, o Al-Shabab publicou a fotografia de um soldado francês que o grupo disse ter sido morto a tiros após ter sido capturado nos combates.

A Somália não conta com um governo central efetivo há mais de duas décadas.

A França mantém uma grande base militar no país vizinho Djibouti, com a presença de unidades do Exército, Marinha e Força Aérea. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.