Grupo islâmico suspeito de atentado em Jacarta

Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado com carro-bomba contra o Hotel Marriott de Jacarta, que deixou 13 mortos e 150 feridos, mas as suspeitas apontam para o Jemaah Islamiya (Comunidade Islâmica), grupo ligado à rede Al-Qaeda e que teria cometido o ataque de outubro na Ilha de Bali, matando 202 pessoas e deixando 350 feridos. O grupo, liderado por indonésios treinados no Afeganistão, estaria tentando criar um Estado islâmico no sudeste da Ásia. Outro de seus objetivos seria o de vingar o que qualifica de "opressão dos muçulmanos pelos EUA e seus aliados". O Jemaah Islamiya teria células espalhadas por Malásia, Indonésia, Cingapura, Filipinas e Austrália e, segundo funcionários de serviços de inteligência, algumas de suas operações teriam sido financiadas pela Al-Qaeda, de Osama bin Laden. O suposto líder do grupo, Abu Bakar Bashir, está detido em Jacarta e sendo julgado por uma série de atentados a bomba contra igrejas católicas em 2000. Bashir, um clérigo indonésio de 64 anos, nega até mesmo a existência do Jemaah Islamiya. O suposto chefe de operações do grupo, Riduan Isamuddin, também conhecido como Hambali, é o homem mais procurado do sudeste asiático e considerado uma figura essencial do terrorismo na região. Hambali seria também um importante membro da Al-Qaeda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.