Grupo ligado à Al-Qaeda pode ser responsável por atentado

A ONU e os EUA definiram o ataque ao escritório da ONU em Bagdá como um atentado terrorista, embora nenhuma organização tenha reclamado a autoria. O ataque aconteceu quase duas semanas depois da explosão de um carro que matou 19 pessoas na embaixada da Jordânia em Bagdá e após uma série de ataques aos oleodutos e às tubulações de água no Iraque.Agentes do FBI juntaram-se às equipes de investigação, que conta com Bernard Kerik, ex-comissário da polícia de Nova York que está no país para ajudar a reconstruir a polícia iraquiana. Kerik disse a repórteres que o ataque provavelmente teria sido realizado por um terrorista suicida. Porém alertou que ainda era muito cedo para dizer se Osama bin Laden e a Al-Qaeda estavam envolvidos no episódio. "Nós não temos essas evidências ainda".O exército dos EUA já havia alertado para a presença de militantes islâmicos estrangeiros no Iraque e sobre um grupo ligado à Al-Qaeda, o Ansar al-Islam, que estaria por trás do ataque à embaixada da Jordânia.Dia´a Rashwan, um especilista em islamismo do Centro de Estudos Estratégicos e Políticos Al-Ahram, no Egito, disse que os ataques se encaixam à filosofia da Al-Qaeda. Os terroristas consideram a ONU como um dos atores internacionais que ajudaram os EUA a ocupar a Palestina e o Iraque, disse Rashwan.No ataque desta terça-feira, um caminhão de cimento, carregado com o dobro de explosivos do que foi usado contra a embaixada, explodiu ao colidir com o muro de fora do prédio da ONU, que utiliza as instalações do Hotel Canal na cidade. O ataque aconteceu no momento em que vários membros da ONU, incluindo Sérgio Vieira de Mello, participavam de uma conferência. Mais de 300 pessoas trabalhavam no prédio. A explosão abriu um buraco de dois metros de profundidade no chão do prédio.Um membro da ONU contou 15 corpos no prédio e uma pesquisa realizada em hospitais da capital iraquiana encontrou mais cinco mortos. A ONU diz que 14 dos mortos eram funcionários da organização e que mais de 100 pessoas ficaram feridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.