Grupo ligado a Al-Qaeda revela nome de terrorista que participaria do 11/9

Um militante saudita que em 2004 foi responsável por um atentado que resultou na morte de 22 pessoas na Arábia Saudita deveria ter sido o vigésimo seqüestrador envolvido nos ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos, informou um grupo ligado a rede extremista Al-Qaeda nesta terça-feira.Um homem identificado como Turki bin Fuheid al-Muteiry foi "o escolhido pelo xeque Osama bin Laden para ser o mártir de número 20 nos ataques de 11 de setembro", dizia uma declaração assinada pela Companhia de Produção Al-Sahab, produtora responsável pelas gravações em vídeo e em áudio divulgadas pelos líderes da rede extremista."Deus o aceitou entre os mártires", dizia a mensagem publicada em uma página na internet conhecida por divulgar declarações de extremistas islâmicos.De acordo com o comunicado, Muteiry, também conhecido como Fawaz al-Nashmi, não pôde participar dos atentados de 11 de setembro de 2001 porque "o tempo para a operação se esgotou". A mensagem não trazia mais detalhes sobre como ele deixou de participar dos atentados.A produtora Al-Sahab informou que em breve distribuiria um vídeo na internet. Ainda não foi possível confirmar a veracidade da reivindicação junto a fontes independentes.Muteiry teria participado de uma tomada de reféns na cidade saudita de Khobar em 29 de maio de 2004. Ele conseguiu escapar do local do ataque, mas morreu um mês depois em um tiroteio com a polícia saudita. A mensagem divulgada nesta terça-feira também assegura que Zacarias Moussaoui - a única pessoa condenada até agora pelos Estados Unidos por suposta participação nos atentados - não tomou parte dos ataques."O irmão Zacarias Moussaoui nada teve a ver com os ataques de 11 de setembro, como mencionou o xeque Abu Abdullah (Bin Laden) em sua última gravação", prosseguia a mensagem.Uma mensagem de áudio atribuída a Bin Laden e divulgada em 24 de maio diz que nem Moussaoui nem nenhuma das centenas de pessoas detidas pelos EUA na carceragem de sua base naval em Guantánamo, Cuba, participou dos ataques.Moussaoui, um francês de ascendência marroquina de 37 anos, foi condenado recentemente à prisão perpétua depois de a justiça americana ter considerado que ele foi responsável por pelo menos uma morte nos atentados de 11 de setembro de cinco anos atrás.A declaração da Al-Sahab assegura ainda que a Al-Qaeda promete vingar a morte do extremista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi em um bombardeio americano na cidade iraquiana de Baquba na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.