Grupo militante alerta Exército egípcio por ação no Sinai

Um grupo militante islâmico que atua na península do Sinai disse na quarta-feira que vai reagir caso o Exército egípcio mantenha sua atual operação na região, que faz fronteira com Israel.

Reuters

16 de agosto de 2012 | 20h07

O Exército caça militantes no deserto do Sinai desde um incidente da semana passada que resultou na morte de 16 guardas de fronteira. Essa é a maior mobilização militar do Egito na região em mais de três décadas.

O Sinai faz fronteira com Israel, e um acordo de paz de 1979 restringe fortemente a presença de soldados e blindados egípcios na região. O Cairo atribuiu o ataque da semana passada a militantes islâmicos.

"Nunca erguemos nossas armas contra o Exército egípcio", disse o grupo Salafi Jihadi, um dos mais atuantes da região, que negou envolvimento com o ataque. "Então parem o derramamento de sangue, ou do contrário vocês estarão nos arrastando para uma batalha que não é nossa", acrescentou a nota divulgada pelo grupo na noite de quarta-feira.

Autoridades dizem que 20 militantes foram mortos pelo Exército egípcio em 8 de agosto, primeiro dia da ação militar. O conflito põe a prova a capacidade do recém-empossado presidente Mohamed Mursi para controlar os militantes na fronteira com Israel. Mursi é um político de origem islâmica, mas promete respeitar o acordo de paz com o Estado judeu.

(Reportagem de Yusri Mohamed em Ismailia, Maayan Lubell em Jerusalém e Omar Fahmy no Cairo)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOSINAIAMEACA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.