Grupo militante sunita promete marchar sobre Bagdá

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), grupo inspirado na Al-Qaeda que liderou a captura de suas cidades iraquianas dominadas por sunitas nesta semana, prometeu nesta quinta-feira marchar sobre Bagdá, elevando os temores sobre a capacidade do governo - liderado por xiitas - de impedir o assalto após as rápidas vitórias dos militantes.

Agência Estado

12 de junho de 2014 | 09h13

Na quarta-feira, o grupo tomou Tikrit, cidade natal do ex-ditador Saddam Hussein, enquanto soldados e força de segurança abandonavam seus postos. A invasão da cidade aconteceu após a captura de Mosul, a segunda maior cidade do país, no dia anterior. O grupo e seus aliados também tomaram Faluja e outras partes da província de Anbar, que é dominada por sunitas e fica a oeste de Bagdá.

Militares iraquianos também abandonaram alguns postos da cidade de Kirkuk, onde há sunitas e xiitas, que agora está sob o comando de milícias curdas, conhecidas como peshmerga, informou o brigadeiro Halogard Hikmat, alto oficial peshmerga, à Associated Press.

Ele disse que os curdos se transferiram para o local nesta quinta-feira para proteger uma base aérea e outros pontos da cidade, mas negou relatos de que toda Kirkuk esteja sob controle peshmerga.

"Nós decidimos nos mover e controlar a base aérea e algumas posições nas proximidades porque não queremos que esses lugares, que armazenam armas, caiam nas mãos dos insurgentes", afirmou Hikmat. Não foi possível entrar em contato com funcionários do governo iraquiano para confirmar as informações.

Também nesta quinta-feira, militantes atacaram um posto de verificação da cidade de Tarmiyah, 50 quilômetros ao norte de Bagdá, matando cinco militares e ferindo nove, informaram autoridades, em condição de anonimato.

Al-Maliki pediu ao Parlamento que declare estado de emergência, o que daria a ele os "poderes necessários" para governar o país, algo que, segundo especialistas, incluiria poderes para impor toques de recolher, a restrição de movimentação e censura aos meios de comunicação. Os integrantes do Legislativo devem analisar o pedido ainda nesta quinta-feira.

Centenas de jovens se amontoaram hoje em frente ao principal centro de recrutamento do Exército na capital Bagdá, depois de as autoridades terem pedido aos iraquianos que ajudem a combater os insurgentes.

O porta-voz do EIIL, Abu Mohammed al-Adnani, declarou que os combatentes do grupo irão tomar as cidades de Kerbala e

Najaf, onde estão dois dos templos mais sagrados para os xiitas. "Vamos marchar sobre Bagdá porque temos uma conta para acertar", disse ele em mensagem de áudio postada em site militantes geralmente usados pelo grupo. Não foi possível verificar a veracidade do comunicado.

Al-Adnani disse também que um dos principais comandante do grupo, Adnan Ismail Najm, mais conhecido como Abu Abdul-Rahman al-Bilawi al-Anbari, foi morto num confronto recente no Iraque. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IraquesunitasBagdáEIIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.