Grupo opositor sírio relata ataques a Damasco

O Exército sírio bombardeou redutos rebeldes na província de Damasco nesta segunda-feira, onde mais de 45 pessoas, dentre elas 36 civis, foram mortas nas últimas 48 horas, informou o Observatório Sírio pelos Direitos Humanos.

AE, Agência Estado

13 de agosto de 2012 | 11h13

O ataque começou antes do amanhecer e teve como alvo os distritos de Assali, Nahar Aisha e Qadam, todos no sul da capital, assim como Al-Tal e New Artuz, nas proximidades de Damasco.

Confrontos foram registrados no reduto rebelde de Harasta, ao norte de Damasco. Na capital, forças de segurança realizaram ataques e prisões nos bairros de Qaimreya, Qashla e Shaghur, disse o Observatório.

A rede de ativistas Comitês de Coordenação Locais informou que ataques ocorreram em Shaghur, onde "forças de segurança invadiram lojas e arrombaram comércios que haviam sido fechados". O grupo também relatou "uma campanha de ataques e detenções" na Cidade Velha de Damasco.

No domingo, 150 pessoas morreram em toda a Síria, segundo dados do Observatório. A maioria na província de Damasco, onde 26 civis e sete rebeldes foram mortos. Nesta segunda-feira, o grupo informou a morte de dez civis e dois rebeldes foram mortos na província de Damasco, além de quatro civis em Deraa, no sul.

Na cidade central de Homs, 16 civis foram mortos por disparos feitos pelo Exército no bairro de Shamas somente no domingo. O Conselho Nacional Sírio e grupos ativistas disseram, domingo, que uma milícia ligada ao governo executou sumariamente 10 civis durante um ataque ao bairro de Shamas.

O Observatório confirmou que forças pró-governo realizaram um ataque ao distrito, mas não citou as execuções. Mais de 21 mil pessoas morreram em toda a Síria desde que a revolta contra o regime teve início, 17 meses atrás, segundo o grupo. Não é possível verificar a informação de forma independente e a Organização das Nações Unidas (ONU) interrompeu sua contagem independente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.