Grupo organiza paralisação para forçar renúncia do presidente taiwanês

Os organizadores da campanha contra o presidente de Taiwan, Chen Shui-bian, convocaram neste sábado uma paralisação para o dia 9 de outubro com o objetivo de forçar sua renúncia.Sob o lema "Um milhão de vozes contra a corrupção", o chamado para a mobilização pede que operários e estudantes abandonem seus postos de trabalho e estudo, e, ao meio-dia da data marca, se concentrem em lugares-chave da cidade e gritem palavras de ordem pela saída do líder taiwanês do poder."Os que não puderem participar também podem tocar buzina ou gritar ´Abaixo à corrupção, salvar Taiwan e fora Chen´", disse Chien Hsi-chieh, chefe adjunto da campanha contra Chen.No dia 5 de outubro, será realizado um ensaio da mobilização. "A paralisação não destrói necessariamente a economia de um país e é um meio ao qual não podemos renunciar", disse Chien, diante dos temores do empresariado a respeito de uma convocação do tipo numpaís onde protestos não são comuns.O primeiro-ministro taiwanês, Su Tseng-chiang, condenou a greve pelo fato de "sua motivação ser meramente política" e não trabalhista.A popularidade do presidente taiwanês tem baixado a níveis mínimos desde que veio à tona uma série de escândalos de corrupção ligados a seu genro e ao uso de fundos do gabinete presidencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.