Grupo palestino quer trocar jornalistas da ´Fox News´ por muçulmanos presos nos EUA

Um grupo palestino até então desconhecido, As Brigadas Sagradas do Jihad, reclamou nesta quarta feira a autoria do seqüestro dos dois jornalistas da Fox News na semana passada, e colocaram um prazo de 72 horas para trocá-los por prisioneiros muçulmanos presos nas prisões dos EUA, segundo a agência de notícias palestina Ramattan.O grupo divulgou uma fita com os dois jornalistas, o correspondente Steve Centanni, de 60 anos, e o cameraman Olaf Wiig, de 36. Não é possível ouvir o que eles falam na gravação devido à qualidade do áudio. A fita é o primeiro sinal de que os jornalistas estão vivos desde 14 de agosto, quando foram seqüestrados na cidade de Gaza.Uma declaração com as demandas dos seqüestradores veio junto com a gravação.Apesar de grupos palestinos seqüestrarem estrangeiros com freqüência, inclusive jornalistas, esse foi o mais longo seqüestro dos últimos anos. Na gravação, os homens, sentados no chão, com as camisas suadas, aparentam estar em boas condições de saúde. Homens armados não aparecem, como de costume.Liberação de prisioneirosA agência Ramattan relatou que o grupo demandou em sua declaração que os prisioneiros muçulmanos em prisões dos EUA sejam soltos em até três dias em troca de Centanni e Wiig. O grupo não falou o que aconteceria se o prazo não fosse cumprido.Nos EUA, o governo pediu a libertação imediata dos dois jornalistas e reiterou que não negocia com terroristas.A rede de TV americana Fox News tornou-se conhecida mundialmente por defender posições do governo americano, em especial a campanha dos EUA no Iraque."Trocaremos mulheres e homens muçulmanos detidos nas prisões americanas pelos prisioneiros que temos. Damos 72 horas a partir da meia noite de hoje para tomarem sua decisão", diz a declaração. Segundo a Ramattan, os jornalistas dizem na fita que estão em boas mãos e apelaram aos seus governos a responderem às demandas dos seqüestradores. Mais de 24 estrangeiros foram seqüestrados em Gaza nos últimos dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.