Grupo paramilitar colombiano se desmobiliza

O grupo paramilitar colombiano Autodefesas Unidas da Colômbia anunciou para este sábado uma cerimônia de desmobilização que acontecerá em Puerto Boyacá, região onde a organização armada ilegal nasceu no final da década de 70 sob o nome de Autodefesas Camponesas.A entrega de armas contará com a presença do alto comissário para a Paz da Presidência colombiana, Luis Carlos Restrepo, assim como autoridades civis da região.Em meados dos anos 80, o município de Puerto Boyacá, a 250 quilômetros ao noroeste de Bogotá, foi declarado o "Primeiro Forte Anti-subversivo da Colômbia", em um fórum que contou com membros da polícia, criadores de gado, empresários e líderes políticos regionais.Foram criadas então organizações com fachada política, mas com estreitos vínculos com os paramilitares, como o Movimento de Renovação Nacional e a Associação de Camponeses e Criadores de gado de Magdalena Medio, para apoiar a estratégia armada civil contra as guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Surgiram então figuras que semearam o terror na região, como Henry de Jesús Pérez e Gonzalo Pérez, que assumiram a organização paramilitar regional e o terrorismo contra setores que não os apoiaram, situação que depois se estendeu a muitas outras áreas do país.Na segunda-feira começará uma concentração no município de Puerto Triunfo de cerca de mil combatentes das AUC de Magdalena Médio. Aproximadamente 16 mil combatentes das AUC se desmobilizaram durante o atual Governo, no contexto dos acordos assinados em julho de 2003 em Santa Fé de Ralito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.