Grupo que libertou reféns na Somália matou Bin Laden

A mesma unidade de fuzileiros navais que matou Osama bin Laden pousou de paraquedas durante a madrugada desta quarta-feira na Somália e resgatou uma norte-americana e um dinamarquês, que haviam sido sequestrados em outubro. Durante a operação, nove sequestradores foram mortos.

AE, Agência Estado

25 de janeiro de 2012 | 14h16

O presidente Barack Obama autorizou a realização da missão dois dias antes e minutos depois de encerrado o discurso sobre o Estado da União, na noite de terça-feira, ele estava ao telefone com o pai da norte-americana para dizer que sua filha estava em segurança.

Jessica Buchanan, de 32 anos, e Poul Hagen Thisted, de 60, trabalhavam na unidade de retirada de minas do Conselho Dinamarquês de Refugiados, quando foram sequestrados em outubro.

Os fuzileiros navais entraram rapidamente, atacando os guardas enquanto eles dormiam, depois de terem mascado khat, uma erva alucinógena, durante boa parte da noite, afirmou um pirata que falou pelo telefone com a Associated Press e se identificou como Bile Hussein.

Hussein afirmou que não estava no local, mas que havia falado com outros piratas que presenciaram a ação e que contaram que nove piratas foram mortos no ataque e três foram "levados".

O resgate foi realizado pelo mesmo grupo de fuzileiros navais que esteve por trás da operação que matou Osama bin Laden no Paquistão em maio de 2011, informaram dois funcionários norte-americanos em condição de anonimato.

A unidade do Grupo Especial Naval do Desenvolvimento da Guerra também é conhecida como SEAL Team 6. Uma das fontes disse que eles chegaram de paraquedas à região antes de se movimentarem por terra até o alvo. O ataque aconteceu perto da cidade somali de Adado.

Na semana passada surgiram informações de inteligência indicando que a saúde de Buchanan estava "se deteriorando rapidamente", então Obama ordenou que seu grupo de segurança desenvolvesse um plano de resgate, segundo um graduado funcionário do governo que não está autorizado a falar sobre o assunto.

Já Mary Ann Olsen, do Conselho Dinamarquês de Refugiados, disse que Buchanan "não estava tão doente", mas precisava de medicamentos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SomáliarefénsresgateBin Laden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.