Grupo radical palestino rejeita acordo entre Hamas e Fatah

O Exército Islâmico, grupo radical palestino, rejeitou neste domingo o acordo para a formação de um governo de união nacional alcançado em Meca entre o movimento nacionalistaFatah e o islâmico Hamas. O grupo também criticou o Hamas por se aliar a partidos seculares. "Toda solução que ultrapassa os limites da lei islâmica está viciada, embora apareça como esperança para o fim da crise", disse o Exército Islâmico em comunicado enviado à imprensa. O Exército Islâmico apareceu em junho passado, ao participar, junto com combatentes do Hamas e militantes dos Comitês de Resistência Popular, do seqüestro do soldado israelense Gilad Shalit, que ainda está em cativeiro em Gaza. O comunicado do Exército Islâmico é divulgado depois que o Hamas iniciou conversas com partidos de esquerda para convencê-los a integrar o governo de união nacional acordado entre o Fatah e o movimento islâmico, vencedor das eleições de janeiro de 2006. O movimento da Jihad Islâmica já anunciou oficialmente que não fará parte do governo palestino, embora apóie o acordo, enquanto a Frente Popular para a Libertação da Palestina ainda estuda sua participação no mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.