Grupo rebelde confirma combates com governo nigeriano

Um grupo rebelde nigeriano confirmou nesta quarta-feira um "feroz combate" com as tropas do governo. O conflito ocorreu próximo a duas estações de bombeamento de petróleo da Royal Dutch Shell PLC, na região produtora do delta do Rio Níger. "Houve uma feroz troca de tiros, que diminuiu [...] com o recuo dos militares", disse um porta-voz do Movimento para Emancipação do Delta do Níger, também conhecido como Mend. O porta-voz se identificou como Jomo Gbomo. Os rebeldes do Mend, que no passado lançaram vários ataques contra instalações de petróleo no país, disseram que sua meta é ganhar maior controle sobre os recursos do delta do Rio Níger. Sua campanha tem freqüentemente levado à interrupção do fluxo de petróleo da Nigéria, que é do tipo "leve, doce", bastante procurado pelas refinarias pela alta rentabilidade no processamento de gasolina. Em e-mail, o Mend também disse que mobilizou cerca de 500 homens em direção ao Rivers State, uma região do delta do Rio Níger, para a realização de ataques adicionais. O Mend disse que os ataques, que começaram nesta quarta-feira, "vão aumentar em gravidade dependendo da resposta das forças militares nigerianas". "Operadores das instalações em Rivers State foram alertados para retirarem suas equipes daqueles lugares de forma imediata", disse Gbomo. "Nós alertamos que não vamos mais fazer reféns nos ataques contra instalações de petróleo. Não vamos voltar atrás naquela promessa", acrescentou.Mais violência Ao mesmo tempo, autoridades nigerianas informaram que homens armados atacaram um comboio no sudeste do país, desencadeando uma batalha contra forças de segurança. O comboio estava transportando suprimentos para a Agip, subsidiária da companhia de petróleo italiana ENI SpA, segundo informou o general Alfred Ilogho, que declinou em fornecer detalhes adicionais sobre os combates e feridos. O comboio foi atacado quando estava a cerca de 80 quilômetros a oeste de Port Harcourt e se dirigia para o terminal de exportações, disse Ilogho. Logo depois do ataque ter sido relatado, um repórter da Associated Press em Port Harcourt disse que viu vários helicópteros de combate decolarem da base da força aérea e se dirigirem para oeste, em direção ao local do ataque. Ilogho declinou em comentar sobre o destino dos helicópteros, dizendo que eles não estavam sob seu comando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.