Grupo rebelde curdo assume atentados de domingo na Turquia

Um grupo radical curdo assumiu nesta segunda-feira a responsabilidade pelos atentados a bomba que deixaram 27 pessoas feridas no domingo na Turquia. Dez turistas britânicos e 11 turcos se feriram após uma explosão em um ônibus na cidade litorânea de Marmaris, no mar Egeu. No outro evento assumido pelos separatistas curdos, seis pessoas foram atingidas em Istambul.Os Falcões da Liberdade do Curdistão - uma entidade linha-dura ligada à principal guerrilha curda, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) - informaram em seu website que a "Turquia não é um país seguro". "Turistas não deveriam vir à Turquia", diz o comunicado. Nos últimos anos, militantes curdos vêm ameaçando importantes pontos turísticos da Turquia como parte de sua luta pela autonomia do Curdistão turco no sudeste do país.Em 2005, o mesmo grupo guerrilheiro também assumiu a responsabilidade por uma explosão que destruiu um micro-ônibus no balneário turístico de Kusadasi, matando cinco pessoas - entre elas uma mulher britânica e um jovem irlandês - e ferindo outras 13.Nesta segunda-feira, uma explosão no balneário mediterrâneo de Antalya deixou três mortos e feriu outras 18 pessoas, mas as autoridades não confirmaram imediatamente tratar-se de um ataque a bomba. A nota divulgada pelos separatistas não menciona a explosão desta segunda.Texto atualizado às 14h20

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.