NASSER NASSER/AP
NASSER NASSER/AP

Grupo rebelde sírio rejeita plano de cessar-fogo durante feriado

Segundo enviado da ONU, regime de Assad teria aceitado trégua nos conflitos durante o Eid al-Adha

Estadão.com.br,

24 de outubro de 2012 | 19h34

DAMASCO - Um plano de cessar-fogo durante o feriado muçulmano do Eid al-Adha, no final de outubro, foi rejeitado nesta quarta-feira, 24, pelo Jabhat al-Nusra, um dos grupos rebeldes da Síria. Em comunicado no site do Jabhat, a estratégia é apontada como um "jogo sujo", já que é provável que o presidente sírio, Bashar Assad, não cumpra a trégua.

 

Veja mais:

link Número de refugiados sírios registrados supera 355 mil

link Assad decreta anistia geral na Síria

blog JAMIL: Crise na Síria 'transborda' para Líbano

 

A ideia foi sugerida por Lakhdar Brahimi, enviado especial da ONU à Síria. Ele afirma que o governo concordou com um cessar-fogo durante o Eid al-Adha, e que o acordo deveria ser anunciado oficialmente "em breve", segundo informações da Reuters. Durante as negociações nesta quarta-feira, seis pessoas morreram e 20 ficaram feridas em um incidente com carro-bomba ao sul de Damasco.

 

Brasil

 

Depois de receber o chanceler brasileiro Antonio Patriota, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, elogiou a atuação brasileira para resolver a crise e se declarou aberta para tentar chegar a um cessar-fogo na região, segundo informações da AFP. "Claro que somos bem-vindos a qualquer participação brasileira no esforço de ajudar a transição política. É uma voz muito importante para tentar resolver esta situação", disse Clinton.

 

Para o Itamaraty, há uma preocupação do Brasil em relação à Síria. "É importante que possamos mobilizar esforços diplomáticos para dar prosseguimento ao processo de paz no Oriente Médio", afirmou Patriota, destacando a busca por uma "mobilização diplomática para encontrar uma solução negociada para os conflitos".

 

O chanceler reforçou o endosso do país ao acordo que prevê um plano de negociações para a transição e saída do atual presidente, Bashar Assad. Na reunião, Clinton e Patriota discutiram temas econômicos e acordos bilaterais, como detalhes do programa Ciência Sem Fronteiras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.