Grupo xiita põe fim a boicote ao Parlamento iraquiano

O movimento político de clérigos iraquianos e o líder da milícia Moqtada al-Sadr afirmaram ter colocado fim ao boicote de dois meses ao Parlamento iraquiano no domingo, num abrandamento das divergências com os aliados xiitas no governo apoiado pelos Estados Unidos. A reconciliação política com um grupo visto com suspeita em Washington ocorre um dia após forças norte-americanas sofrerem um dos dias mais custosos no Iraque. Um total de 19 soldados foram mortos, incluindo 12 em um helicóptero --número revisado para baixo frente aos 13 inicialmente divulgados. O primeiro-ministro xiita, Nuri al-Maliki, tem estado sob pressão para controlar o Exército Mehdi, uma milícia que os EUA vêem como a maior ameaça à segurança no Iraque. Mas seu passado de dependência do apoio político de Sadr tem tornado isso difícil. Os seguidores de Sadr anunciaram um boicote no final do ano passado para pressionar por uma cronograma para a retirada das tropas norte-americanas do país e protestar contra uma reunião entre Maliki e o presidente dos EUA, George W. Bush. "Nós estamos encerrando nosso boicote aos ministérios e ao Parlamento", afirmou a jornalistas Bahaa al-Araji, um integrante de alto nível do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.