Grupos de ajuda avaliam situação pós-terremoto na Indonésia

Agências de ajuda humanitáriaprometeram doar dinheiro e enviaram equipes às pressas para aIndonésia a fim de avaliar os danos e ajudar os feridos depoisde um grande terremoto e de uma série de abalos sísmicossubsequentes terem atingido a ilha de Sumatra. As agências disseram ter ficado impressionadas com avelocidade de retirada das pessoas das áreas costeiras apósvários alertas de tsunami haverem sido impostos e suspensos emvirtude do terremoto de 8,4 graus e dos tremores que seseguiram. Os danos provocados pelo abalo revelaram-se menores do quese temeu inicialmente. "Nossa avaliação inicial é de que o governo será capaz deenfrentar (os problemas deixados pelo desastre)", afirmouElizabeth Byrs, do Escritório das Nações Unidas para aCoordenação das Questões Humanitárias (Ocha). "Mas nossa equipecontinua de prontidão e viajará para o local caso isso sejanecessário." Segundo equipes de ajuda, as avaliações iniciaislimitaram-se à cidade de Bengkulu, onde algumas construçõesdesabaram. Há poucos dados sobre a zona rural. "Parece que, na cidade, há uma boa e organizada resposta dogoverno em termos de serviços básicos de saúde, barracas eabrigos", afirmou à Reuters, em Jacarta, Sebastien Fesneau, dogrupo Oxfam. Autoridades disseram que ao menos dez pessoas morreram. Maso número pode subir, já que haveria vítimas ainda presasdebaixo de destroços, afirmaram grupos de ajuda. A agência norte-americana Serviços Católicos de Assistênciaafirmou que gastará 50 mil dólares com a ajuda a ser enviada àIndonésia. Outros grupos, entre os quais o World Vision e oInternational Medical Corps, também enviariam equipes deavaliação para a área do terremoto. A Austrália prometeu gastar 42 mil dólares em ajudaemergencial por meio da Cruz Vermelha da Indonésia. Quando o abalo se produziu, moradores das áreas costeirasdo Sri Lanka à Tailândia e turistas presentes nesses locaissaíram em busca de locais mais altos. Em 2004, um terremoto eum tsunami subsequente ocorridos na região mataram mais de 280mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.