Grupos de defesa da imprensa protestam

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) condenou ontem a detenção da blogueira cubana Yoani Sánchez e pediu às autoridades da ilha a "imediata libertação" dela - assim como a de seu marido, Reinaldo Escobar, e do dissidente Agustín Díaz, que também foram presos com a jornalista independente.

MIAMI, EUA, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2012 | 03h01

"Se as autoridades cubanas pretendiam diminuir a cobertura internacional do julgamento (de Ángel Carromero) freando os esperados e seguidos escritos de Yoani, conseguiram justamente o contrário com essa prisão arbitrária e de óbvio conteúdo político", afirmou Gustavo Mohme, presidente da comissão de liberdade de imprensa e informação da SIP.

Diretor do jornal peruano La República, Mohme pediu que as autoridades cubanas deem "mostras de tolerância a favor da liberdade de expressão de imprensa".

A situação de Cuba, juntamente com a de outros países latino-americanos onde são registradas aberrações do gênero, será analisada com atenção na próxima assembleia da SIP, que ocorre entre os dias 12 e 16 em São Paulo.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) também protestou. "A detenção desses jornalistas indica claramente que o governo cubano continua sua prática de castigar o jornalismo independente", disse Carlos Lauría, coordenador para as Américas do CPJ, afirmando que "as autoridades cubanas devem libertar imediatamente e sem condições" os três detidos.

Repressão à mídia. "Uma comunidade de blogueiros vibrante e independente surgiu em Cuba nos últimos anos em desafio às severas limitações legais, econômicas e tecnológicas", afirmou o CPJ, que considera Cuba "o país mais repressivo para a imprensa do continente americano".

"As autoridades (cubanas) devem revelar todos os detalhes de todas as detenções em Bayamo e acusá-los de ofensas criminais que sejam reconhecidas internacionalmente ou libertá-los", disse Javier Zúñiga, da ONG Anistia Internacional.

"As restrições sem sentido de Cuba, em relação à liberdade de expressão e mídia independente, têm de chegar ao fim", afirmou a entidade.

De acordo com informações da Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, organização dissidente que concentra informações a respeito dos opositores da ilha, 533 pessoas sofreram detenções relâmpagos no mês passado em Cuba. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.