Jim Watson / AFP
Jim Watson / AFP

Grupos de direitos civis processam Trump por ação policial próximo da Casa Branca

A União Americana das Liberdades Civis (ACLU) e outros grupos acusaram o presidente e altas autoridades de violarem direitos constitucionais dos ativistas do Black Lives Matters e dos manifestantes

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2020 | 21h49

WASHINGTON - Grupos de direitos civis dos Estados Unidos iniciaram um processo contra o presidente americano, Donald Trump, nesta quinta-feira, 4, depois que as forças de segurança dispersaram manifestantes pacíficos do lado de fora da Casa Branca com spray de pimenta e bombas de efeito moral. 

Policiais forçaram os manifestantes a se afastarem antes de Trump caminhar até uma igreja próxima para uma sessão de fotos que dividiu os Estados Unidos na segunda-feira, em meio a protestos em todo o país contra a brutalidade policial. 

A União Americana das Liberdades Civis (ACLU) e outros grupos acusaram o presidente e altas autoridades de violarem direitos constitucionais dos ativistas do Black Lives Matters e dos manifestantes. 

"A polícia conduziu uma ação coordenada e não provocada à multidão de manifestantes e enviou várias rodadas de substâncias irritantes químicas, balas de borracha e armas sônicas", disse a ACLU.

A igreja episcopal de St John fica do outro lado da rua do Lafayette Park, que fica em frente à Casa Branca e tem sido o foco de protestos em Washington. A igreja foi danificada com pichações e um incêndio durante manifestações no domingo à noite. 

Trump posou com uma Bíblia do lado de fora do prédio depois de prometer enviar milhares de soldados fortemente armados para conter os protestos. 

Manifestantes tomaram as ruas nos EUA nos últimos dias para expressar indignação pelo assassinato do afro-americano George Floyd pela polícia de Minnesota.

Para Entender

O caso George Floyd

Homem negro de 46 anos foi morto por policial branco durante abordagem; desencadeados pelo assassinato, protestos contra o racismo e a violência policial eclodiram nos EUA e no mundo

O ataque do presidente "claramente criminoso contra os manifestantes porque ele discordou de suas opiniões desestabiliza os fundamentos da ordem constitucional de nossa nação", disse Scott Michelman, diretor jurídico da ACLU. 

O secretário de Justiça, William Barr, defendeu nesta quinta-feira as forças de segurança e disse que dispersar os manifestantes não teve ligação com o fato de Trump caminhar até a igreja.

Hoje, no funeral em Minneapolis para a despedida de Floyd, o icônico reverendo e ativista Al Sharpton pediu justiça e que a polícia seja responsabilizada. "Chegou a hora de o sistema de justiça criminal prestar contas", disse o reverendo batista na cerimônia. "George, você mudou o mundo", acrescentou. /AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.