Grupos de hackers se unem após prisões e prometem novos ataques

Anonymous e LulzSec divulgam comunicado dizendo 'não ter medo' das autoridades americanas

Reuters

21 de julho de 2011 | 17h05

WASHINGTON - Os grupos de hackers Anonymous (@anonymousirc) e Lulz Security (@lulzsec) publicaram nesta quinta-feira, 21, um comunicado conjunto em resposta às recentes prisões de seus membros efetuadas pelo FBI, a Polícia Federal dos Estados Unidos. Na nota, os hackers dizem que voltarão à ativa e promoverão ações de invasão.

 

Veja também:

linkHackers dizem ter invadido servidores da Otan

linkFBI prende 14 hackers suspeitos de invadir PayPal

 

"Não estamos mais com medo. Suas ameaças de nos prender não significam nada, já que não podem prender um ideal. Qualquer tentativa de fazê-lo só vai irritar seus cidadãos até que eles reclamem em coro. É nossa missão ajudar essas pessoas e não há nada - absolutamente nada - que vocês podem fazer para nos deter", escreveram.

 

Na terça-feira, as autoridades americanas anunciaram a prisão de 14 pessoas ligadas aos ataques contra o site de pagamentos PayPal em dezembro. Outros dois americanos, quatro holandeses e um britânico também foram detidos por suspeita de envolvimento em outros casos de pirataria na internet.

 

Os hackers dizem que seu comunicado é uma responsa aos comentários de Steven Chabinsky, vice-diretor-assistente da divisão do FBI responsável por ciberataques, que disse na Rádio Pública Nacional ser "inteiramente inaceitável o ato de invadir sites e cometer crimes".

 

Os grupos prometeram continuar a atacar governos, que eles acusam de mentir para os cidadãos e de induzir medo e terror, "privando-os pouco a pouco de sua liberdade". "Esses governos e companhias são nossos inimigos. E vamos continuar a combatê-los com todos os métodos dos quais dispomos, e isso certamente inclui a invasão de seus sites e a exposição de suas mentiras", concluíram. O FBI se recusou a comentar a nota.

 

O Anonymous e o LulzSec assumiram a responsabilidade por ataques a sites na Síria, na Tunísia, no Egito e na Índia por motivações políticas, assim como nas páginas da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos e do Senado americano. O Anonymous disse nesta quinta ter invadido os servidores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e o LulzSec, que anteriormente havia anunciado seu desmantelamento, invadiu recentemente o site do tabloide The Sun, envolvido em um escândalo de grampos telefônicos na Grã-Bretanha.

Tudo o que sabemos sobre:
LulzSecAnonymoushackersFBIinternet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.