Grupos manifestantes insistem em ocupar ruas do Cairo

O Exército do Egito tenta hoje restaurar a ordem no Cairo após semanas de grandes protestos que forçaram a renúncia do ex-presidente Hosni Mubarak. No entanto, as tropas enfrentaram focos de resistência ao agir para desmontar o acampamento armado pelos manifestantes na Praça Tahrir.

AE, Agência Estado

13 de fevereiro de 2011 | 09h34

Soldados e policiais militares tentaram derrubar as tendas montadas na praça, mas houve brigas com alguns jovens que se recusaram a deixar o local. Muitos residentes dos entornos da praça gritaram dizendo aos manifestantes que é hora de partir. A tensão reflete a fragilidade da situação, enquanto a população pede mais voz no movimento do país em direção à democracia, dois dias depois de Mubarak passar o poder para o Exército.

Ontem os militares prometeram obedecer o tratado de paz com Israel e eventualmente ceder o poder para um governo eleito, mas muitos manifestantes temem que as reformas há muito tempo pedidas sejam deixadas de lado caso eles abandonem os protestos.

A multidão na Praça Tahrir diminuiu do pico de 250 mil no auge das manifestações para alguns milhares neste domingo. A maior parte dos que permanecem no local foi empurrada para as calçadas, e as ruas foram reabertas para o tráfego pela primeira vez em mais de duas semanas.

Uma coalizão de grupos de jovens e de oposição que participaram do movimento pediu que as pessoas saíssem das ruas e convocou protestos semanais, todas as sextas-feiras, para continuar pressionando o governo. A coalizão é bastante influente entre a multidão que ocupou a Praça Tahrir, mas seus membros dizem que não são líderes e que não podem evitar a força da "revolução".

Muitos na praça prometeram ficar ali até que todas as suas demandas tenham sido atendidas. O Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito assumiu o governo do país, mas até agora os generais não falaram nada sobre como a transição de governo será feita nem como atenderão as demandas dos manifestantes. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.