Grupos sunitas iraquianos exigem adiamento das eleições

Oito grupos políticos sunitas iraquianos exigiram que o governo interino do país suspenda as eleições previstas para 30 de janeiro a não ser que atenda a diversas exigências, inclusive a derrubada de uma emenda à Constituição que considera o país um distrito eleitoral único.Os oito grupos são o Partido Islâmico Iraquiano, que ameaça boicotar as eleições em resposta à ofensiva americana contra Faluja; a Frente Democrata Árabe; o Conselho Tribal Al-Jabor; o Bloco de Libertação e Reconciliação; o Al-Wasat; a Frente Independente Iraquiana; o Movimento Nacional Iraquiano; e a Frente Nacional das Tribos do Iraque.Num comunicado com data de ontem, os grupos políticos exigiram que o governo interino do Iraque reconsidere a lei eleitoral que trata o Iraque como um distrito eleitoral único, pois isso "limita a participação de grande porcentagem das províncias iraquianas".Segundo a lei, os iraquianos de todas as partes do país votarão com base na mesma lista de candidatos. As vagas serão alocadas de acordo com a porcentagem de votos de cada partido. Em média, seriam necessários 50.000 votos para se obter uma cadeira no parlamento, segundo estimativas.Os grupos também exigiram que o governo permita que os detentos e todos os iraquianos no exterior tenham direito ao voto. A Comissão Eleitoral Independente do Iraque já informou que os iraquianos que atualmente vivem em 14 países poderão votar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.