AFP
AFP

Guarda Costeira da Coreia do Sul resgata 163 pessoas após acidente com balsa

Todos os passageiros e tripulantes já estão em segurança; a embarcação teria atingido uma rocha no sudoeste do país

O Estado de S. Paulo

25 Março 2018 | 05h58

A Guarda Costeira da Coréia do Sul resgatou, neste domingo, 25, todas as 163 pessoas que estavam a bordo de uma balsa que atingiu uma rocha nas águas próximas à costa sudoeste do país. Até o momento, é indicado que pelo menos seis pessoas sofreram ferimentos leves. Todos eles já estão voltando à costa nos navios da Guarda Costeira e em outras embarcações civis que ajudaram no resgate. 

Um oficial da guarda costeira já havia dito que as perspectivas de resgatar todos aqueles a bordo eram boas, porque a balsa não estava mostrando sinais de inundação ou perdendo o equilíbrio apesar do acidente, próximo às ilhas no condado de Sinan. A guarda costeira havia previamente divulgado que havia 192 pessoas a bordo, mas depois este número foi corrigido para 163.

+ Em marcha, jovens pedem revolução pelo voto contra armas nos EUA

Quatro navios da guarda costeira e outras embarcações civis nas proximidades aproximaram-se imediatamente do local para a operação após os pedidos de socorro. Todos os 158 passageiros e cinco tripulantes da balsa estavam vestindo coletes salva-vidas enquanto esperavam o resgate, o que contribuiu para uma operação tranquila.

+ 'Defender a terra natal era sua razão de viver', diz mãe de policial francês morto em atentado

"Parece que a frente da balsa roçou a rocha depois que mudou de direção para evitar que um barco de pesca passasse ", afirmou o oficial. Um outro funcionário da guarda costeira afirmou que o choque do acidente deixou seis pessoas com ferimentos leves. Ambos os funcionários falaram sobre a condição de anonimato, citando as regras do escritório. 

A área deste acidente não está longe de onde uma balsa afundou e matou mais de 300 pessoas em 2014, desencadeando uma manifestação nacional de luto e protestos sobre a negligência aos padrões de segurança. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.