Guarda costeira da Itália busca 40 náufragos

Equipes de resgate italianas realizam buscas por cerca de 40 pessoas desaparecidas depois que um barco lotado com imigrantes ilegais naufragou nas primeiras horas deste sábado na costa sul da Itália, matando pelo menos dez pessoas.Um navio da Marinha da Itália localizou a embarcação antes de ela haver começado a afundar, e 70 de seus passageiros foram resgatados.O mar estava calmo perto da remota ilha italiana de Lampedusa. Segundo sobreviventes, o afundamento ocorreu quando as pessoas viram o navio da Marinha e correram para um dos extremos da sua embarcação, criando uma sobrecarga.A agência de notícias AFP afirma que investigadores da Sicília também analisam a possibilidade de que o navio italiano possa ter provocado o naufrágio quando realizou manobras para tentar resgatar seus ocupantes.Os sobreviventes estimam que 120 pessoas estavam a bordo do barco de imigrantes.Posteriormente, embarcações e helicópteros da guarda costeira se uniram à operação de resgate.A polícia está interrogando cinco sobreviventes suspeitos de envolvimento no tráfico de pessoas.AfricanosLampedusa se tornou um imã para imigrantes que deixam o norte da África e tentam chegar à Europa.Muitos africanos se lançam ao mar em barcos lotados e em estado precário.O Ministério do Interior da Itália disse que 178 barcos com um total de 10.414 pessoas a bordo chegaram a Lampedusa entre 1º de janeiro e 31 de julho deste ano, em comparação aos 6.901 imigrantes durante o mesmo período em 2005, de acordo com a agência de notícias AFP.As autoridades da Espanha disseram que mais de 800 potenciais imigrantes ilegais chegaram às Ilhas Canárias em barcos provenientes da África nos últimos dois dias.Um outro barco foi localizado na costa.Na sexta-feira, o governo regional das Ilhas Canárias reiterou pedidos para que as autoridades em Madri tomem medidas urgentes para o que chamou de "avalanche humana".Mais de 17 mil imigrantes ilegais vindos da África conseguiram aportar nas Ilhas Canárias neste ano - o triplo do total do ano passado. Vários outros morreram tentando fazer a travessia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.