MAHMUD TURKIA/AFP
MAHMUD TURKIA/AFP

Guarda costeira da Líbia resgata quase mil migrantes em um dia

A costa ocidental do país é o principal ponto de partida para milhares de pessoas que fogem de guerras e da pobreza e tentam chegar à Europa

Reuters

25 de junho de 2018 | 04h46

TRIPOLI - A Guarda Costeira da Líbia resgatou 948 migrantes africanos em barcos infláveis em várias operações e também recuperou 10 corpos no domingo, 24, segundo autoridades e uma testemunha em uma base naval.

As operações ampliam o número, desde a semana passada, de migrantes em sua maioria africanos que tentam chegar à Itália, mas são trazidos de volta à Líbia para quase 2.000.

A costa ocidental da Líbia é o principal ponto de partida para milhares de migrantes que fogem de guerras e da pobreza e tentam chegar à Europa.

O número de travessias caiu drasticamente desde julho de 2017, quando um grupo armado expulsou traficantes de seres humanos de um ponto de contrabando depois de um acordo apoiado pela Itália.

+++ França criará centros na Líbia para evitar que imigrantes arrisquem suas vidas no Mediterrâneo

"Os guardas costeiros resgataram migrantes ilegais em diferentes grupos. O primeiro grupo é de 97 em um barco inflável e o segundo grupo é de 361 migrantes em dois barcos infláveis", disse à Reuters o porta-voz das forças navais, Ayoub Qassem.

"O segundo grupo foi levado para a cidade de Khums", disse Qassem, acrescentando que os dois grupos incluíam 110 mulheres e 70 crianças.

Uma testemunha que assistiu à chegada de outro navio da guarda costeira na base naval de Abu Sitta, em Tripoli, disse que um terceiro grupo incluía 490 imigrantes retirados da cidade de Qarabulli. Entre eles, 75 mulheres e 20 crianças.

+++ Itália tenta atuar na Líbia para diminuir imigração

A Líbia mergulhou no caos após a revolta apoiada pela Otan que derrubou Muammar Kadafi em 2011, com muitos grupos armados e duas administrações disputando o poder.

A maioria dos imigrantes tenta atravessar o Mediterrâneo em direção à Itália, esperando que eles sejam apanhados por navios comandados por grupos humanitários e levados para lá, embora muitos se afoguem antes de serem resgatados.

No início deste mês, o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, prometeu não deixar mais que os navios de ajuda humanitária desembarquem os migrantes resgatados na Itália, deixando um navio ancorado no mar por vários dias com mais de 600 migrantes até que a Espanha lhes oferecesse um porto seguro.

A Itália criticou Malta no domingo por sua recusa em receber um navio de ajuda com bandeira holandesa, com mais de 230 imigrantes a bordo. /Reuters

Mais conteúdo sobre:
Líbia [África]imigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.