EFE/Marina Militare
EFE/Marina Militare

Guarda costeira líbia resgata 300 imigrantes que tentavam chegar à Itália

Refugiados foram encontrados em duas embarcações precárias que seguiam pelo Mar Mediterrâneo

O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2016 | 10h45

TRÍPOLI - A Guarda Costeira da Líbia interceptou duas embarcações precárias que tentavam atravessar o Mar Mediterrâneo e chegar ao litoral da Itália com 300 imigrantes a bordo, informou nesta quinta-feira, 1º, um responsável do órgão.

Segundo a fonte, ambas embarcações foram encontradas a poucos quilômetros do litoral líbio, diante da antiga cidade romana de Sebratha, situada cerca de 150 quilômetros a oeste de Trípoli.

"Dentre os imigrantes, 169 provêm de diferentes países da África Subsaaariana. Um é tunisiano e 130 são bengaleses. Há cinco mulheres. Todos foram transferidos ao serviço de luta contra a imigração irregular na cidade vizinha de Al Zawiya, onde recebeu a assistência necessária", acrescentou.

A Líbia é um Estado fracassado, vítima do caos e da guerra civil desde que em 2011 a comunidade internacional contribuiu militarmente para a vitória dos rebeldes sobre a ditadura de Muamar Kadafi.

Nestes cinco anos de transição, o país se transformou em lugar de passagem para milhares de pessoas que tentam chegar ao continente europeu em busca de uma vida melhor, e em um terreno propício para as máfias que traficam seres humanos. 

Veja abaixo: Marinha italiana divulga imagens de resgate de migrantes

Há dois dias, a Organização Internacional de Migrações (OIM) calculou em 111,5 mil o número de imigrantes e refugiados resgatados este ano no Mediterrâneo Central, a faixa marítima entre o norte da Líbia e o litoral da Itália.

No total, 3.165 pessoas perderam a vida tentando atravessar o Mediterrâneo desde o início deste ano, sendo 509 a mais do que nos primeiros 8 meses de 2015. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaImigranteRefugiadoItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.