Guatemala decreta emergência após massacre

O governo da Guatemala declarou estado de emergência por 30 dias no departamento (Estado) de El Petén, no norte do país, após o brutal massacre de 27 pessoas em uma fazenda de gado. O presidente guatemalteco, Alvaro Colom, disse que a matança foi "sádica e perversa" e que também foi obra de um cartel mexicano das drogas, o Los Zetas. O massacre ocorreu no domingo.

AE, Agência Estado

17 de maio de 2011 | 16h40

Colom permaneceu hoje no departamento, uma região com florestas e ruínas da civilização maia, e dirigiu pessoalmente as operações para reprimir o que se acredita seja um ramo do cartel Los Zetas que se expandiu do México para o departamento vizinho de El Petén. Hoje, as autoridades suspenderam as aulas nas escolas. As ruas estavam desertas e muitas lojas permaneceram fechadas.

"A Guatemala precisa enfrentar esta agressão, que ameaça não só nosso país, como a região inteira", disse Colom. A declaração do estado de emergência dá ao exército poderes para deter pessoas sem ordens de prisão emitidas por juízes. O ataque contra a fazenda, na noite de sábado e manhã de domingo, foi um dos maiores massacres ocorridos na Guatemala no período posterior à guerra civil, que acabou em 1996. Atiradores mataram 27 trabalhadores rurais, incluídas duas mulheres e duas crianças, decapitaram os cadáveres e deixaram as cabeças em uma pastagem.

Apenas um trabalhador de 23 anos, se aproveitando de um momento de distração dos agressores, conseguiu fugir. Nas cidades e vilas de El Petén, moradores dizem que impera um clima de medo. Uma bomba explodiu ontem na cidade de Santa Elena, próxima à fazenda onde ocorreu o massacre. A taxa de homicídios no departamento, região de fronteira com o México, é o dobro da média nacional da Guatemala. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.