AP Photo/Moisés Castillo
AP Photo/Moisés Castillo

Com buscas suspensas, guatemaltecos se arriscam para resgatar corpos de parentes

Segundo autoridades, as chances de encontrar sobreviventes depois de 72 são mínimas; até o momento, 100 mortes foram confirmadas

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 12h07

SAN MIGUEL LOS LOTES, GUATEMALA - Moradores guatemaltecos decidiram continuar a busca por sobreviventes mesmo depois que as equipes de resgate do governo encerraram os trabalhos, nesta quinta-feira, 7. Segundo autoridades, a chance de encontrar pessoas vivas 72 horas depois da erupção é mínima. Óscar Chávez, no entanto, continua procurando o irmão, a cunhada e o sobrinho. Ele passou o dia andando pela montanha do vulcão junto do pai e do irmão mais novo. Não há notícias sobre seus parentes desde a erupção de domingo.

+ Mulher chora 36 parentes mortos ou desaparecidos em erupção na Guatemala

+ Guatemala tem dificuldade para identificar vítimas do Vulcão de Fogo, que registra nova atividade

Chávez contou que já procurou em abrigos, hospitais e outros locais, mas não teve sucesso. Usando pedaços de pau e um facão, os três batiam no telhado de uma casa enterrada em escombros e tentavam derrubar uma parede. Alguns policiais próximos ao local viram o que a família estava fazendo e decidiram ajudar, levando ferramentas mais robustas.

A Coordenadoria Nacional para Redução de Desastres da Guatemala (Conred) suspendeu os trabalhos de resgate nas áreas afetadas pela erupção do Vulcão de Fogo. Chove na área e, segundo a Conred, o material vulcânico acumulado na região torna o trabalho perigoso para os socorristas. O órgão encerrou as buscas depois que 72 horas se passaram desde o desastre. O Conred também pediu à população que fique longe das áreas devastadas.

Mais cedo na quinta-feira, a Força Aérea dos Estados Unidos transportou seis crianças guatemaltecas com graves queimaduras para tratamento no Texas. Elas serão internadas no Hospital Shriner's, na cidade de Galveston. As crianças estão entre as vítimas da erupção do vulcão, que enterrou aldeias quase inteiras em cinzas e lama superaquecida. Segundo autoridades, 99 mortes foram confirmadas e muitas pessoas ainda estão desaparecidas. / AP

Mais conteúdo sobre:
vulcão Guatemala [América Central]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.