Guatemalteco foi primeira baixa dos EUA na guerra

Há oito anos, um adolescente guatemalteco de 14 anos atravessou o solo mexicano para chegar aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor. Emseu novo país, conseguiu uma família adotiva, foi à escola secundária e se alistou na Marinha em gratidão à nação que o acolheu.Na sexta-feira passada, o cabo José Gutiérrez, de 22 anos, se converteu na primeira baixa da guerra no Iraque ao morrer em um enfrentamento na cidade portuária de Umm al Qasr."Ele entrou para a Marinha para devolver um pouco do que recebeu dos Estados Unidos. Para ele era uma questão de honra", disse seu irmão adotivo Max Mosquera.Na Guatemala, o chanceler Edgar Gutiérrez disse que estava comovido com a morte do soldado. O governo emitiu um comunicado lamentando sua morte e dando as condolências a seus pais.O jovem Gutiérrez cruzou a fronteira rumo à Califórnia depois de tomar vários trens da Guatemala ao México, diseram seus familiares. "Sei que foi realmente duro", disse Mosquera.O adolescente foi recolhido por Marcelo e Nora Mosquera, também imigrantes latino-americanos. Gutiérrez sonhava ser arquiteto, mas postergou seus planos para servir na Marinha.Em setembro do ano passado, chegou a fuzileiro do 2º Batalhão do 1º Regimento da Marinha, segundo funcionários do Acampamento Pendleton. "Estava lutando pela cidade portuária de Umm al Qasr, que é importante para que os Estados Unidos possam levar ajuda humanitária ao país (Iraque)", afirmou o capitão James Rich, que noticiou a morte de Gutiérrez à sua família adotiva.Nesta segunda-feira, uma bandeira içada a meio pau ondeava em frente à casa dos Mosquera em Lomita, a cerca de 40 quilômetros ao sul de LosAngeles. A entrada da residência estava cheia de coroas de flores, cada uma com uma bandeira e um cartaz que dizia: "United We Stand" ("Unidos Estamos").Nesta segunda, funcionários da Embaixada dos Estados Unidos na Guatemala notificaram a irmã de Gutiérrez do falecimento do soldado. A mulher, cujo nome não foi revelado, vive em um bairro pobre da capital guatemalteca. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.