Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Guedes diz que eleição de Biden não atrapalha crescimento da economia brasileira

Ministro da Economia admitiu a vitória iminente do candidato democrata e disse que o Brasil vai 'crescer independentemente do que acontecer lá fora'

Lorenna Rodrigues e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 18h09

BRASÍLIA - Depois da torcida explícita do presidente Jair Bolsonaro pela reeleição do presidente norte-americano Donald Trump, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira que a vitória do candidato democrata Joe Biden não atrapalhará o crescimento do Brasil.

Se até ontem Bolsonaro se apegava à máxima de que “a esperança é a última que morre”, como chegou a dizer a apoiadores, Guedes foi um dos primeiros integrantes do governo a admitir que a vitória do democrata é iminente, como mostram as apurações dos votos nos EUA.

“Havendo a mudança nos Estados Unidos eventualmente, e parece que os dados indicam que está próximo isso acontecer, não afeta a nossa dinâmica de crescimento. O Brasil vai crescer independentemente do que acontecer lá fora”, afirmou, em evento virtual do Itaú. 

“Não vamos superestimar relacionamento político, crescimento do Brasil depende de nós. As relações lá fora, umas ajudam, outras atrapalham. Pode ser que a proximidade com um país ajude geopoliticamente e atrapalhe na tecnologia, ou vice-versa”, completou.  

Em sua fala, Guedes voltou a usar a metáfora de uma festa para se referir ao cenário geopolítico e disse que Estados Unidos e China vinham “dançando de rosto colado” há muitos anos. “O Brasil chegou atrasado, já estava todo mundo bêbado. Nós estamos dançando com qualquer um, queremos dançar com todo mundo”, completou.

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

De acordo com o ministro, a agenda de abertura comercial da economia brasileira segue “inabalada”, mas tem que ser feita em conjunto com a melhoria do ambiente de negócios, “sem ingenuidade”. “Não podemos ser trouxas”, acrescentou.

Ele ressaltou que em todas as janelas, o Brasil tem baixado a tarifa de importação de produtos, como nos recentes aumentos do preço interno do arroz e da soja.

Ele disse ainda que é importante que o Brasil tenha bons relacionamentos com os países Europeus e que se entenda com eles na questão ambiental, mas alegou que há interesses comerciais por detrás das críticas à falta de preservação do meio ambiente pelo atual governo brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.