Guerra ao terror eleva gasto militar a 2,5% do PIB mundial

Alimentados pela guerra americana ao "terrorismo", os gastos militares do mundo aumentaram 6% em termos reais, para US$ 795 bilhões em preços atuais, em 2002, informa um respeitado instituto de pesquisas sobre paz, em relatório anual. O gasto de 2002 representa 2,5% do PIB mundial, ou US$ 128 per capita. O Instituto de Pesquisa Sobre Paz Internacional de Estocolmo, conhecido pelas iniciais Sipri, informou que os EUA foram responsáveis por quase três quartos do aumento nos gastos militares em todo o mundo.Ao aumentar drasticamente seu orçamento para defesa após os atentados de 11 de setembro de 2001 contra Washington e Nova York, os Estados Unidos responderam por 43% de todo o dinheiro gasto no mundo para compra de armas e outros equipamentos militares, no último ano. Juntos, os cinco países seguintes - Alemanha, China, França, Grã-Bretanha e Japão - foram responsáveis por 23% dos gastos militares.A Rússia deixou de figurar entre os cinco maiores compradores de armas porque o Sipri alterou seus métodos para o último relatório, disse a analista Elisabeth Skoens. De acordo com ela, o método nos relatórios anteriores inflava os números referentes a países emergentes e economias em transição, como é o caso russo. Mas a Rússia ainda ocupa o posto de maior exportador de armas do mundo, com uma fatia de 36% das vendas em 2002.O aumento dos gastos militares "deve-se quase exclusivamente ao imenso incremento promovido pelos Estados Unidos nos gastos nesse setor", afirma o relatório. "Uma revisão das tendências de gastos globais mostra que o resto do mundo não está preparado ou não consegue acompanhar o exemplo americano nos gastos militares."Houve 21 conflitos armados de grande porte em 19 lugares diferentes em todo o mundo em 2002, o menor número desde 1998, informou o Sipri. Em 2001, foram 24 conflitos em 22 localidades distintas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.