Guerra civil expulsa colombianos para o Equador

Mais de 14 mil colombianos cruzaram a fronteira com o Equador nos últimos 12 meses fugindo da guerra civil que atinge a Colômbia. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), a situação na região é "preocupante" e o motivo para a saída dos colombianos seria a instabilidade política e social no país. A maioria dos colombianos é de Narino, Putumayo e Cauca e está se concentrando nas províncias de Imbabura e Carchi, no Equador. A pedido do governo de Quito, a ONU está enviando uma missão para a fronteira entre a Colômbia e o Equador no próximo mês. O objetivo será ajudar o governo equatoriano a receber os colombianos. "Muitos deles estão solicitando asilo no Equador e cerca de 2 mil pessoas já receberam status de refugiado", afirmou o porta-voz do Acnur, Kris Janowski. As Nações Unidas ainda irão investigar os efeitos do Plano Colômbia para a situação dos refugiados colombianos. "Não podemos dizer, por enquanto, se há alguma relação entre o Plano e a decisão dessas pessoas de deixar suas casas, mas vamos entrevistar os colombianos que cruzam a fronteira para descobrir se de fato existe alguma relação", afirmou o porta-voz. Desde 1995, cerca de 1,5 milhão de colombianos foram obrigados a deixar suas casas e migrar para outras regiões do país. Segundo a ONU, 65% das pessoas que deixaram suas regiões são crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.