Guerra civil intensifica êxodo de colombianos em 2002

Nunca tantos colombianos deixaram o país como agora. O alerta é da ONU, que acredita que 2002 será marcado pelo êxodo da população colombiana diante da guerra civil que insiste em atingir o país. Em 40 anos de conflitos, 2 milhões de cidadãos foram expulsos de suas casas. Mas, segundo a ONU, desde janeiro o trânsito de pessoas nas fronteiras tem se intensificado em comparação com os últimos anos. Somente o Panamá recebeu 1,6 mil colombianos entre janeiro e março e mais 3,2 mil foram para a Europa e Estados Unidos. Venezuela e Equador são os outros destinos dos colombianos. Em Caracas, cerca de 400 colombianos pediram oficialmente asilo ao governo venezuelano nos três primeiros meses de 2001, número superior ao volume de todos os pedidos dos anos de 2000 e 2001. No ano passado, quase 20 mil colombianos deixaram o país, mais da metade em direção à Europa e aos Estados Unidos. Outro país que recebeu colombianos foi a Costa Rica. Segundo a ONU, a explicação para a fuga dos colombianos nestes últimos meses é a existência de conflitos em regiões perto das fronteiras do país, como em Santader, Nariño e Chocó. "Em alguns casos, a população tem apenas a opção de deixar a Colômbia", afirma um funcionário da ONU. Um dos problemas enfrentados pelos colombianos que deixam o país é o perigo que correm para chegar ao outro lado da fronteira. De acordo com a ONU, muitas vezes, a população é obrigada a atravessar a floresta amazônica para chegar ao país vizinho. Para a ONU, o Brasil ainda não está sendo o destino dos colombianos. Mas a organização alerta que se os conflitos não forem solucionados, o País também poderá começar a receber refugiados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.