AP
AP

Guerra civil síria matou ao menos 162 mil pessoas desde 2011, diz oposição

Do total de vítimas, 54 mil são civis, segundo levantamento do Observatório de Direitos Humanos

O Estado de S. Paulo,

19 Maio 2014 | 08h10

Pelo menos 162 mil  pessoas foram mortas em três anos de conflito na Síria, segundo estimativas divulgadas por um grupo de monitoramento ligados à oposição nesta segunda-feira, 19.  Outros milhares estão desaparecidos depois de terem sido capturados por forças do presidente Bashar Assad e dos rebeldes que tentam derrubá-lo.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo pró-oposição síria com sede na Grã-Bretanha, afirmou que as perdas entre os combatentes no lado do governo foram maiores do que no campo dos rebeldes.

De acordo com suas estimativas, pelo menos 54 mil civis foram mortos desde o início do conflito. No campo militar, há 62 mil mortos,  entre os membros do Exército, milícias pró-Assad, combatentes do grupo libanês Hezbollah e outros estrangeiros xiitas. No campo rebelde, foram 42,7 mil mortos, incluindo militantes da Frente Nusra, ligada à rede Al-Qaeda, e outras brigadas islamitas, e soldados que desertaram do Exército sírio.

Cerca de 3 mil pessoas de identidade ou afiliação desconhecida também morreram, segundo o grupo de monitoramento.

O Observatório afirmou que todas as partes em conflito minimizam suas perdas, por isso é quase impossível chegar a um dado preciso, e que a cifra total de mortos pode ser provavelmente maior, chegando a 230 mil. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.