Guerra contra o Irã? Consultem os livros de história

Análise: Walter Rodgers / C.S. Monitor

O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2012 | 03h05

É uma verdade universalmente aceita que guerras nem sempre terminam da maneira como os que as lançaram esperavam. Os líderes de Israel e dos EUA precisam urgentemente considerar essa realidade histórica em seus planos sobre se arriscar a uma guerra motivada pela suspeita sobre o programa de armas nucleares do Irã. E o Irã precisa recuar de uma reação exagerada a sanções que poderá perfeitamente provocar um conflito militar. Os tambores de guerra estão soando mais fortemente. O Irã ameaça bloquear o Estreito de Ormuz, motivado pelo aumento das sanções. Ele sentenciou um ex-marine americano à morte por suposta espionagem e aumentou o nível de enriquecimento de urânio em um bunker subterrâneo.

Candidatos republicanos como Newt Gingrich e Rick Santorum defendem mudança do regime iraniano e ataques militares. E o governo de Barack Obama e Israel deixam todas as opções na mesa, enquanto aumentam as atividades secretas e prometem barrar um Irã nuclear.

Os exemplos de erros de cálculo militares são numerosos. Hitler tinha tanta certeza de que os nazistas tomariam Leningrado que mandou imprimir convites para um banquete da vitória em um hotel da cidade. Não custa lembrar, também, a prometida luz no fim do túnel para a vitória americana no Vietnã. E considerem o choque dos soviéticos ao verem seu país desmoronar três anos após terem saído do Afeganistão - uma humilhação dispendiosa que contribuiu para o desmantelamento da União Soviética.

As oportunidades para um erro de cálculo num conflito iraniano são numerosas, incluindo o risco de que EUA ou Israel possam não conseguir eliminar um programa nuclear por ele estar bem protegido. Sabotagem, guerra cibernética e conflito militar poderiam facilmente espalhar-se do Irã para a região e instalações americanas e israelenses em todo o mundo.

Os estrategistas iranianos precisam rever as políticas. Eles têm de advertir seus conselhos no poder que já existe um grupo que defende a guerra com o Irã nos meios políticos conservadores dos EUA. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK E TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.