NYT
NYT

Guerra de Putin contra a Ucrânia deixa a Europa Oriental em alerta

Países temem que os esforços do líder russo para voltar no tempo e recuperar uma esfera de influência perdida no final da Guerra Fria possa significar um desastre para eles

Andrew Higgins, The New York Times, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2022 | 10h00

PODBORSKO, Polônia - Espalhados pela floresta na Polônia como ruínas arqueológicas, os bunkers de concreto em ruínas armazenaram por décadas ogivas nucleares soviéticas. Hoje, eles guardam apenas lembranças -- profundamente dolorosas para a Polônia, alegres para o Kremlin -- do império desaparecido que o presidente russo,Vladimir Putin, quer reconstruir, começando por sua guerra na Ucrânia.

"Ninguém aqui confiava nos russos antes e certamente não confiamos neles agora", disse Mieczislaw Zuk, um ex-soldado polonês que supervisiona a antiga instalação nuclear ultrassecreta. Os bunkers foram abandonados pelos militares soviéticos em 1990, quando a hegemonia de Moscou sobre a Europa Oriental e Central se desfez no que o presidente Putin descreveu como “a maior catástrofe geopolítica do século”.

Agora, os países do Leste Europeu temem que uma catástrofe própria possa estar em formação, enquanto Putin busca voltar no tempo e recuperar a esfera de influência perdida da Rússia, perigosamente perto de suas fronteiras. Mesmo os líderes da região que há muito apoiam Putin estão soando o alarme.

Avisos sobre as intenções de Moscou, muitas vezes descartados até a invasão da Ucrânia na quinta-feira passada como “russofobia” por aqueles sem experiência de viver nas proximidades da Rússia, agora são amplamente aceitos como prescientes. E embora tenha havido debate sobre se os esforços para expandir a Otan no antigo bloco soviético foram uma provocação a Putin, seu ataque à Ucrânia deixou os países que aderiram à aliança militar liderada pelos EUA convencidos de que tomaram a decisão certa.

Temor no Báltico

Um ataque russo à Polônia ou a outros ex-membros do extinto Pacto de Varsóvia que agora pertencem à Otan ainda é altamente improvável, mas Putin "tornou o impensável possível", alertou Gabrielius Landsbergis, ministro das Relações Exteriores da Lituânia, vizinho da Polônia ao norte.

“Vivemos em uma nova realidade. Se Putin não for parado, ele irá mais longe”, disse Landsbergis em entrevista. Seu país, que faz fronteira com a Rússia e sua aliada Belarus, declarou estado de emergência.

[---#{"ESTADAO-CONTEUDO-INFOGRAFICO":[{"ID":"zjAKE2","PROVIDER":"UVA"}]}#---

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, deu seu próprio aviso de que talvez o pior esteja por vir. “Não devemos ter ilusões: isso pode ser apenas o começo”, escreveu ele no Financial Times. “Amanhã, Letônia, Lituânia e Estônia, assim como a Polônia, podem ser os próximos da fila.”

O medo de que Putin seja capaz de praticamente qualquer coisa, mesmo usando armas nucleares, é apenas "bom senso", disse Toomas Ilves, ex-presidente da Estônia. Ilves anunciou esta semana no Twitter que estava “aceitando desculpas” por todas as “tolices condescendentes dos europeus ocidentais” que reclamaram que “nós, estonianos, éramos paranóicos com o comportamento russo”. Os europeus ocidentais que antes zombavam de sua visão sombria da Rússia, acrescentou, “de repente se tornaram europeus orientais” em suas atitudes de medo. 

Para Entender

Entenda a crise entre Rússia e Otan na Ucrânia

O que começou como uma troca de acusações, em novembro do ano passado, evoluiu para uma crise internacional com mobilização de tropas e de esforços diplomáticos

As memórias da hegemonia soviética sobre o que hoje é o flanco leste da Otan – imposta depois que o Exército Vermelho libertou a região da ocupação nazista no final da Segunda Guerra – variam de país para país, dependendo da história, geografia e lutas políticas internas complicadas.

Para a Polônia, uma nação repetidamente invadida pela Rússia ao longo dos séculos, eles são de humilhação e opressão. Os Estados bálticos, extintos como nações independentes por Stalin em 1940 e arrastados sob a mira de uma arma para a União Soviética, sentem o mesmo.

Apoio a Putin na Bulgária

Outros têm lembranças mais afetuosas, especialmente a Bulgária, onde o sentimento pró-Rússia é profundo há muito tempo, pelo menos até a semana passada, e a Sérvia, que há séculos vê a Rússia como sua protetora.

A guerra de Putin para derrubar a Ucrânia, no entanto, uniu a região em alarme, com até a Sérvia expressando consternação. Na segunda-feira, o primeiro-ministro da Bulgária demitiu seu ministro da Defesa, que causou indignação ao sugerir que o conflito na Ucrânia não deveria ser chamado de guerra, mas de "operação militar especial", eufemismo do Kremlin para sua invasão.

Apenas Milorad Dodik, o líder beligerante e pró-Kremlin do enclave sérvio da Bósnia, Republika Srpska, mostrou alguma simpatia pela guerra de Putin, afirmando que as razões da Rússia para sua invasão “foram recebidas com compreensão”.

 

A indignação com a agressão russa, mesmo em países historicamente simpáticos a Moscou, descarrilou anos de trabalho de diplomatas e agentes de inteligência russos para cultivar aliados como Ataka, um partido político ultranacionalista na Bulgária que é tão próximo da Rússia que uma vez lançou sua campanha eleitoral em Moscou.

Até o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, que geralmente se delicia em desafiar outros líderes europeus e encontrou Putin no mês passado no Kremlin, agora endossou uma série de sanções impostas à Rússia pelo bloco europeu. Ele ainda está bloqueando o transporte de armas para a Ucrânia através da fronteira da Hungria, mas refreou seu entusiasmo anterior por Putin.

O mesmo acontece com Milos Zeman, o ex-presidente da República Tcheca amigo do Kremlin. "Admito que estava errado", disse Zeman esta semana.

Na Polônia, tradicionalmente um dos países mais anti-russos da região, o partido populista do governo, Lei e Justiça, deixou de se alinhar quase da noite para o dia com Moscou em sua hostilidade aos direitos LGBT e na defesa dos valores tradicionais para se tornar um dos críticos mais robustos de Putin, oferecendo seu território para a entrega de armas na Ucrânia e recebendo mais de 4550 mil ucranianos que fugiram da guerra.

Postos de gasolina e caixas eletrônicos no sudeste da Polônia ao longo da fronteira com a Ucrânia foram sitiados nos últimos dias por pessoas preocupadas com a necessidade de sair rapidamente. Essa possibilidade atingiu o alvo na noite de segunda-feira, quando mísseis atingiram uma vila ucraniana a poucos quilômetros da fronteira, sacudindo as janelas das casas próximas do lado polonês.

Apenas duas semanas antes de as tropas russas invadirem a Ucrânia, o primeiro-ministro da Polônia, Morawiecki, juntou-se a Orbán e Marine Le Pen, a candidata presidencial francesa de extrema-direita que frequentemente defende a Rússia, em uma reunião em Madri focada em atacar a União Europeia e as suas atitudes liberais em matéria de imigração.

Nos últimos dias, no entanto, Morawiecki abandonou a hostilidade ao bloco europeu para se concentrar na oposição ao Kremlin. Ele pressionou por duras sanções à Rússia, viajando a Berlim para pessoalmente “abalar a consciência da Alemanha” e levá-la a uma dramática reviravolta em sua política em relação à Rússia. Em uma recente visita a Varsóvia, o secretário de Defesa americano, Lloyd J. Austin III, saudou a Polônia como “um de nossos aliados mais fortes”.

Na sexta-feira, a Polônia sediou uma reunião de cúpula com nove líderes regionais para se opor à invasão da Rússia e discutir maneiras de ajudar a Ucrânia. “Acordamos para uma realidade completamente nova”, disse o presidente polonês, Andrzej Duda, na reunião, lamentando que tenha sido necessária uma invasão russa para interromper “o sono pacífico dos europeus ricos”.

Uma nação de eslavos como a Ucrânia, a Polônia há muito é vista como um membro rebelde da família por nacionalistas russos de mentalidade mais messiânica, cujas opiniões Putin canalizou na semana passada em sua justificativa para a guerra. O ministro das Relações Exteriores da Rússia recentemente zombou da Polônia e de outros novos membros da Otan como “territórios órfãos” pelo colapso do Pacto de Varsóvia e da União Soviética.

Para demonstrar que a Polônia não deseja se juntar ao que Moscou imagina ser sua família feliz, obediente, mas tristemente dividida, o prefeito de Varsóvia anunciou na terça-feira que refugiados da Ucrânia seriam alojados em blocos de apartamentos construídos durante a Guerra Fria para abrigar diplomatas soviéticos.

Poucas pessoas esperam que a Rússia tente trazer os poloneses de volta para uma “família” eslava dominada por Moscou pela força, como agora está tentando fazer com os ucranianos. Fazer isso, disse Tomasz Smura, diretor de pesquisa da Fundação Casimir Pulaski, um grupo de pesquisa em Varsóvia, “significaria que Putin ficou totalmente louco”.

No antigo bunker de ogivas soviéticas em Podborsko, noroeste da Polônia, Zuk disse que nunca esperou que os russos tentassem retomar seus postos militares perdidos da era soviética. Mas ele ainda se perguntava por que, pouco antes de sair de Podobsko com suas armas nucleares, os militares soviéticos elaboraram um cronograma de manutenção para guindastes usados ​​para levantar ogivas e outros equipamentos nas instalações que se estendem por anos no futuro.

"Parece que eles não achavam que iriam embora para sempre", disse Zuk, de pé em um salão subterrâneo cavernoso antes abarrotado de ogivas e há muito fora dos limites para todos, exceto os oficiais soviéticos. Em sua atitude em relação à Polônia, acrescentou, a Rússia sempre agiu “como um mestre em relação a um servo”, uma relação que agora está tentando impor à Ucrânia. "Eu me preocupo que Putin queira se apossar da Polônia e dos países bálticos também", disse ele.

.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.